quinta-feira, 3 de julho de 2014

[7120] - CABO VERDE - O 5 DE JULHO EM QUESTÃO...

 
 
 
5 de Julho -  PAICV classifica declarações do líder do MpD de indignas e insultuosas para São Vicente

Os deputados nacionais do PAICV eleitos pelo círculo eleitoral de São Vicente estão indignados com as declarações do presidente do MpD sobre a realização da sessão da Assembleia Nacional na ilha. Segundo Filomena Martins, as afirmações de Ulisses Correia e Silva são insultuosas porque deixam subentendido que a ilha não tem dignidade para receber o acto solene de comemoração do 5 de Julho.
 
 
"Indignação porque todo o processo foi feito pela Assembleia Nacional com espírito democrático, sentido de Estado e total responsabilidade pelas leis que regem aquela casa. O nosso regime diz que ’não obstante a sede da AN ser na Praia, qualquer sessão pode ser descentralizada para qualquer ponto do território’", frisa a deputada. Defende ainda que UCS passou um atestado de incompetência ao seu líder parlamentar porque foi uma decisão da comissão permanente que reúne representantes de todos os partidos com assento na AN.
"O líder do MpD, tal como o do PAICV e da UCID, estiveram presentes e todos foram unânimes em congratular-se com a realização da sessão solene em S.Vicente. Aliás, nenhum dos actores políticos envolvidos na realização deste acto mostrou reserva em relação à escolha desta ilha. Pelo contrário, mostraram-se satisfeitos por considerar que a ilha é digna de receber a comemoração do 5 de Julho”, realça Filomena Martins, para quem também se está a fazer justiça a ilha onde se apresentou o 1º programa e Governo da República independente.
Relativamente à questão dos custos, a deputada lembra que quando a efeméride é celebrada na Praia também há gastos porque os deputados das outras ilhas têm de se deslocar à capital. E os custos são assumidos naturalmente e com espírito democráticos. "Enquanto deputados eleitos por S. Vicente faremos tudo para que actos desta envergadura sejam realizados nesta ilha", promete. Mas a deputada não acredita que a única motivação do MpD para criticar a realização do acto em São Vicente tenha sido os custos, que são irrisórios.
"Penso que o que está inerente a esta crítica é a atitude dúbia do MpD em relação a S. Vicente. Reclama que não se faz nada, mas sempre que se faz alguma coisa é contra", refere Filomena Martins, fazendo uma retrospectiva pelas obras – Aeroporto Cesária Évora, Delegacia de Saúde, Acesso Norte, Requalificação da Laginha e estrada Calhau/Baía das Gatas - que o partido ventoinha sempre foi contra. “O MpD não querer que se faça nada em S.Vicente pensando que assim será mais fácil chegar ao poder. Estamos, por isso, a fazer um apelo para que este acto decora com toda a tranquilidade”, assevera.
De referir que, para além do presidente do MpD, o próprio líder parlamentar, Fernando Elísio Freire, também já veio criticar a condecoração do Governo do partido único com o 1º Grau da Medalha de Serviços Distintos. “Não se resgata nem premeia pessoas que introduziram o partido único e que cortaram a liberdade ao povo de Cabo Verde e que durante 15 anos impediram as pessoas deste país de ter esperança”, defendeu Freire, para quem "o PAICV quer fazer uma revisão da história, uma revisão errada e de sentido único e quer impor ao povo cabo-verdiano valores que este não defende".
in "A Semana"

2 comentários:

  1. Julgo que estamos perante mais um episódio de puro cinismo político-partidário.

    ResponderEliminar
  2. Riola de compadre e comadre... Quem leva esta gente a sério?

    Mim non!

    ResponderEliminar