terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

[7767] - VOZ DE CABO VERDE - 1911...


(Amendes)

N.E. - Não deixa de ser significativo que, a julgar pelo teor deste anúncio, pelo menos, em 1911, tenha havido larga abundância de cebolas em S. Vicente...Mato Inglês? Ribeira de Julião? Onde se cultivariam cebolas às toneladas? E já repararam no preço? Nesse mesmo ano, cada 1.000  reais passaram a valer 1 escudo, dos quais, descontando a inflação e a correcção monetária, são necessários 200, para fazer 1 Euro...Portanto, a cebola estava, na altura, a € 0.22,5...cada tonelada! Salvo êrro, claro!
Chega a parecer anedota que, nos anos sessenta (se bem me lembro) houve tanta falta de cebola em S.Vicente, quer importada quer produzida localmente, que o Djô de Lino, na Baía-das-Gatas, inventou, para o seu célebre caldo de peixe, um refogado à base de couve lombarda, muito fininha, a substituir a esquiva cebola...Durante largo tempo, ninguém notou a diferença!

8 comentários:

  1. Para registo:
    BENJAMIM FERRO ( Da SILVA)
    Nasc. 2o de Dezembro de 1862 - Na Vila de Nova Sintra - Brava / Fal. 23 Outubro de 1935 / Mindelo
    Descendentes: - Guilherme Morbey Ferro / casado com Libâsnia Fonseca
    João Baptista Spencer.
    .......

    Essa de enganá gente que couve lombarda... só mesmo na Sancente!!!

    ResponderEliminar
  2. Houve um Benjamim Ferro pelos lados do Paul, aparentado com o sr. Firrim mas não sei em que grau.
    Quanto aos Morbey hà-os na ilha da Brava. O primeiro de que tenho ideia é o avô do Jorge Morbey,
    padrinho que foi do meu pai, sendo este filho de madeirenses instalados na ilha de Eugenio Tavares.
    Desculpem là porque a genealogia é com o João Manuel Nobre de Oliveira que tarda a nos apresentar
    a sua enciclopédia. Bolas; e eu que estou ficando velho !!!

    ResponderEliminar
  3. Imaginem S. Vicente a produzir tantas cebolas! Parece uma blague/piada hoje, com aquela ilha hoje pintada de castanho/avermelhado
    Concluindo haja água e produção é farta: a questão das águas sobretudo as que vão para o mar desde que 'soncent e mnin' tem-me sempre preocupado. Oxalá um dia haverá água em abundância e S. Vicente voltará a produzir tanta ou mais cebolas como em 1911

    ResponderEliminar
  4. O pessoal de S. Antão vai pensar que é uma fninha. Falar de agricultura em S. Vicente é para muita gente um absurdo tão real como na Lua

    ResponderEliminar
  5. O governador Marinha de Campos proibiu a produção de cebola em São Vicente nesse ano porque era a única ilha onde as pessoas choravam a cantar e a dançar coladeiras de tanta cebola que havia por todo o lado. Essa proibição foi até foi muito divulgada no "Diário de Notícias" e no "Século". Claro que isto é mais uma mentira do Djack, mas a verdade é que São Vicente já produziu bastante e já teve água, embora de não grande qualidade. Alhinho de boa memória...

    Braça aquífera,
    Djack

    ResponderEliminar
  6. Uma vez estava a falar com um senhor de S Antão sobre o potencial agrícola de S. Vicente ele que não gostava de ouvir a palavra Agricultura para S. Vicente disse-me que no dia em que houver esta prática em S. Vicente a Lua será uma floresta. E não é que S. Vicente já produziu cebolas nos seus campos do Mato Inglês ect

    ResponderEliminar
  7. Li e intervim no post mais recente antes de passar a este. Agora é que estou a ver que alguém se enganou simplesmente no post a respeito do qual falou de agricultura.

    ResponderEliminar