terça-feira, 27 de outubro de 2015

[8592} - A LEI DO FUNIL...


Está aqui outra prova da dura realidade do centralismo, traduzido neste gráfico, e isto é só a ponta do Iceberg:  Santiago absorveu 80% do Fundo do Ambiente! O resto, foram migalhas para os súbditos...
Depois, diz-se que os Regionalistas não têm razão?!!
Se analisarmos onde se aplica a maior parte dos investimentos que deviam ser distribuídos por todo o Cabo Verde verificamos que foram exclusivamente canalizados para a Ilha de Santiago, por razões de opções políticas, ao longo de 40 anos  do mesmo panorama. Cabo Verde tem vindo a ser desconstruído desta maneira desde há 40 anos através da acumulação atabalhoada de recursos humanos e financeiros numa mesma ilha sem uma perspectiva do conjunto.
É esta política que tem engendrado subdesenvolvimento e sofrimento para as populações periféricas e problemas crónicos para a própria ilha de Santiago (caos urbanístico, delinquência, deliquescência do próprio estado central etc)...
Esta política é aclamada pela actual elite (política, social e intelectual) que roça a leviandade e a infantilidade. Muitos, deveriam em primeiro defender os interesses dos seus concidadãos e das suas regiões de origem, é claro, dentro de uma visão do todo e do conjunto, mas são comprados para assobiar paro o lado.
Cabo Verde não pode estar bem quando uma parte nada em dinheiro e outra se ressente da sua necessidade!!! Algo tem que ser mudado... A solução para estas disparidades é entre outras, a Regionalização do arquipélago! (José F. Lopes)

3 comentários:

  1. Se outras evidências não houvesse, isto espelha bem as razões da nossa pugna.

    ResponderEliminar
  2. 40 ANOS de injustiça e de ultrage. Posso até avançar de tentativa de fratricidio se levarmos em conta que não alimentar devidamente o seu irmão pode ser considerado de crime.
    Uns tomaram a independência e outros passaram a ser mais dependentes. Se não é assim que me provem o contrario. E nem se pode abrir o bico porque reclamar e/ou pedir é considerado bairrismo.

    Eduardo Oliveira

    ResponderEliminar