sábado, 28 de novembro de 2015

[8693] - FORÇA SEM VIOLÊNCIA...


Pela mão amiga de José F. Lopes, veio-me parar às mãos esta foto que, ao que parece, está no FaceBook como sendo obra de João Freire Oliveira, e obtida em 1979, cinco anos antes do estúpido acidente que lhe haveria de roubar a vida...
Todavia, o que mais me intriga é o tom, quase voluptuoso, que Nhô Roque usa para retratar o seu estado de espírito e que, valha a verdade, não era, propriamente, do mesmo ar de violência política que na realidade se respirava no Mindelo por essa altura...Aliás, cerca de dois anos antes tinha eu sido expulso nas condições vergonhosas que tive já oportunidade de sintetizar...
"Certeza calma", "força sem violência", "serenidade", "leveza" e, adianto eu, liberdade, que é o que, certamente, todas as aves sentem no momento de levantar voo...De onde viriam, na verdade, tantas bênçãos, numa época que não tenho dúvidas em apelidar de sangrenta?
Ou, estaria Nhô Roque a ser, simplesmente, irónico?!
Ou será o comentário de uma data bem, diferente?

2 comentários:

  1. História de vidas destruidas por uma pseudo-revolução (a revolução da treta), ainda por contar !!!!
    O amigo Zito este 'catchor de dos pe' expulso manu-militari de S. Vicente, há 40 anos em 1977, como tantos outros que foram escorraçados ('sem comida de camin') de Setembro a Dezembro de 1974 (uma das histórias mais tristes de todo o Cabo Verde do seculo XX, o exodo forçado de um dia para outro, sem saber onde ir, de tanta gente boa, da fina elite mindelense, cujo céu caiu-lhes em cima).
    E ver como uma ilha tão pujante, tão alegre e dinâmica de um dia para outro via-se esvaziar os seus elementos mais dinâmicos e entronizarem-se fariseus e viralatas. O único crime desta gente foi não ter feito nada senão não estar de acordo e contestar como muito outros desta ilha o regime que estava a ser implantado. Zito conhece o significado da palavra 'rebentola' que devia existir muito antes de ter sido criada. Alguém ainda estranha porque S. Vicente decaiu?!!! Havia caminhos alternativos em vez dos radicais que mataram a ilha. Zito é dos poucos que sabe e por isso t«detecta um tom irónico de Nho Roque nos tempos da Chapa de Chumbo. O filósofo como o Nho Roque é preciso ler entrelinhas!! Mas isto é Tabu no Reino do Caliban !!

    ResponderEliminar
  2. Bons comentários. É difícil interpretar o sentido das palavras do nosso filósofo. Poderia ser um sentimento de volúpia pela certeza adquirida de que poderia abstrair-se como ninguém da falta de liberdade então reinante. É certo que ele sempre fora livre, em qualquer circunstância. Mas nessa altura o seu sentimento de liberdade talvez se tivesse cristalizado como nunca, ao perceber que nem a tenaz de repente instalada na sua terra conseguia prender o seu voo.

    ResponderEliminar