quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

[8919] - RECORDANDO OS ESCUDOS...









ESTES SÃO, APENAS, 28 EXEMPLARES DAS 144 EMISSÕES DE MOEDAS EM ESCUDOS QUE TIVERAM CURSO EM PORTUGAL DESDE O ADVENTO DO SISTEMA REPUBLICANO (1910), ATÉ INTRODUÇÃO DO €URO (2002).
ANTES DO ESCUDO TINHA HAVIDO EM PORTUGAL OUTRAS DUAS MOEDAS: O "DINHEIRO",  QUE VIGOROU, APENAS, DURANTE A PRIMEIRA DINASTIA E O "REAL",  QUE CIRCULOU DE 1357 ATÉ À IMPLANTAÇÃO DA REPUBLICA.
UM ESCUDO (1$00) TINHA CEM CENTAVOS E FORAM NECESSÁRIOS 200$48,2 PARA EQUIPARAR A UM EURO (€ 1,00).
O PAPEL-MOEDA (DINHEIRO EM NOTAS) APARECEU NO REINADO DE D. PEDRO II (1648/1706) E O PRIMEIRO BANCO - O BANCO DE LISBOA - EM 1821 E QUE, EM 1887 HAVERIA DE SER SUBSTITUÍDO PELO BANCO DE PORTUGAL... MEMÓRIAS!



3 comentários:

  1. Falta dizer que se ganhava xyz "contos", que um maço de tabaco custava wz "paus", que uma bica se bebia por y "croas" e que um rebuçado dos bonecos da bola se vendia por z "tostões".

    Como diz o Djosa de nha Bia, natural de uma terra que manteve o escudo, "Ói nha mãe, ó q'sodade"

    ResponderEliminar
  2. Claro que, ao longo dos anos, essa comparação de preços tem vindo a ser feita mas, já agora, recordo que, em 1969, quando vim a Portugal, de férias, um litro de gasolina (com chumbo) custava no posto da Shell da Rua de Praia, 7$50 (ou 3,7 cêntimos do Euro) e um maço de cigarros SG-Gigante, 16$00 (ou 8 cêntimos do Euro), no Café Portugal...
    Braça baratinho
    Zito

    ResponderEliminar
  3. Só sei que estamos amarrados ao euro e estamos tramados com isso. Maldito o dia em que nos metemos nisso sem pensar duas vezes.

    ResponderEliminar