sexta-feira, 15 de abril de 2016

[9131] - V E R G O N H O S O !!!

Silva Antonio
    17 hrs · Edited   

Este é um edifício que devia ser um museu...
 Vejam o RIDÍCULO que é a JANELA!
Comparem as duas PORTAS!
Vejam o estado da PAREDE!

POUPEM A MEMORIA DE NHO ROQUE
 e a dignidade dos mindelenses ao RIDÍCULO...
RETIREM ESSA PLACA!





4 comentários:

  1. Não sei que mais dizer para exprimir o meu repúdio sobre o completo desprezo a que tem sido votado o património e a memória cultural mindelenses. Tem sido recorrente culpar o governo de tudo, quando em muita coisa a edilidade local assobia para o lado e não faz nada. Que diabo, conservar a fachada desta casa não deve custar mais que um saco de cimento, meia dúzia de baldes de areia, 20 litros de tinta e umas tábuas e pregos para reparar a porta e as janelas.
    Tem sido por demais evidente que há falta de gente capaz em S. Vicente para assumir cargos públicos. A regionalização terá alguma hipótese com esta estirpe de gente? Gente medíocre e de uma insensibilidade cultural que brada aos céus?
    Lembro-me de que em 2003 estava eu em S. Vicente e verifiquei que estavam apagadas em grande parte as luzes dos postes de iluminação da Praça Nova. A princípio, pensei que era um problema de poupança, embora incompreensível, visto tratar-se de um ex-libris da cidade. Depois, com o andar do tempo, vi que outras luzes se foram apagando, a ponto de à noite a Praça ficar mergulhada em quase escuridão. Concluí que aquilo não era mais que incúria e desleixo dos responsáveis pela cidade. Então, escrevi uma carta ao presidente da câmara. Por acaso, resultou, pois dias depois começaram a reparar a iluminação. Mais tarde, encontrei-me com ele num restaurante (viria a saber era casado com uma prima minha) e ele explicou-me que o problema das luzes era causado por formigas que comiam os fios enterrados e acabavam por entrar em curto-circuito. Mas afinal era possível reparar aquilo, só que foi preciso intervir um mindelense que estava ali de passagem. Bolas!!!

    ResponderEliminar
  2. E, amigo Adriano, os formicidas não são tão caros como isso!

    ResponderEliminar
  3. Uma sugestão:
    Transformação da Casa do Nhô Roque num espaço cultural do Mindelo (depois de recheá-la de livros pinturas fotos ect)
    Porque não criar um roteiro cultural literário orientado para o turismo e transformar esta casa (depois de recheá-la de livros pinturas fotos ect) num espaço cultural do Mindelo, para turistas interessados neste aspecto da história da ilha?

    ResponderEliminar
  4. AmigosMuito do que já foi abatido na cidade é património, à nossa escala e pacatez, mas é!! Os nossos modernistas são incultos pois não sabem que o centro histórico da cidade, com as suas casas tipicamente caboverdianas, rez-de-chão ou um piso seriam curisidades para turistas logo de um grande valor comercial e daria muito trabalho e emprego na nossa ilha. Tudo isto revalorizado requalificado, como hoje em dia se faz em França, Espanha, Itália e mesmo Portugal, tornaria S. Vicente num spot turísitco similar aos destinos mediterrânicos. Mas não, os nossos 'experts' (arquitectos e engenheiros civis e especialistas do urbanismo na câmara etc) acham por bem abater tudo, pois ganha-se assim muito dinheiro rapidamente, Constróiem no lugar caixotes mamarachos, autênticos desafios à beleza natural urbana da nossa ilha, aquela que conhecemos até finais do século passado. Se eles pensam que estão a modernizar a cidade, estão muito enganados. Estão a destruí-la!! De resto é a opinião unânime dos especialistas internacionais que visitam a ilha, como aconteceu no anos passado um português que foi galardoado com o prémio Pritzke. Em 2006 por altura do SIRUM falei com vários especialistas do urbanismo e são da mesma opinião, está a destruir S. Vicente a lume brando.

    ResponderEliminar