domingo, 25 de setembro de 2016

[9712] - EFEMÉRIDES NACIONAIS..



José Fortes Lopes
Em 2016 e 2017 comemoram-se dois marcos importantes da História de Cabo Verde: o Centenário do Ensino Liceal Oficial graças ao empenho do Senador Vera-Cruz e os 90 da sua electrificação, da iniciativa de Pedro Bonucci e João Leça.
São dois marcos importantes que fazem transitar o arquipélago do obscurantismo à modernidade. Este era um arquipélago que poderia estar condenado a afundar-se no meio do oceano desde que perdeu todo o seu interesses estratégico com a perda do imperio português da Ásia e do Brasil e o fim do comércio triangular associado ao comercio de escravos entre África e a América.
Mas no início do do século XIX reaviva-se o interesse pelo arquipélago dada a sua posição estratégica no Atlântico. O aliado Britânico entra em negociação com Portugal para a sua cedência para o apoio à sua frota comercial e miltar que cruzava os oceanos em apoio ao seu vasto império. Este escolhem o Porto Grande de S. Vicente, uma ilha quase deserta, para estabelecer a sua base. Surge de raiz uma cidade planeada a régua e esquadro com caracterísiticas bem vincadas cuas implicações todos conhecemos. Os depósitos de carvão depressa dão lugar a um fervilhar de actividades impulsionadas pelos britânicos. Instalam-se inglêses, portugueses e, é claro, um grande número de cabo-verdianos de todo o arquipélago que vão criar nesta ilha um novo cabo Verde, o paradigma da modernidade, do cosmopolitismo e do progresso. 
Juntam-se a esta aventura judeus do Norte de África, italianos etc. Nesta ilha dá-se o fervilhar de iniciativas com empresas britânicas inglêsas instaladas em sectores estratégicos, com portugueses e cabo-verdianos a ocuparem da administração e de actividades comerciais. Surgem vários 'herois' em todos os sectores e um deles é Pedro Bonucci, filho de italianos residentes na ilha, que tem uma ideia com João Leça, electrificar a cidade do Mindelo, abolindo a iluminação pública vigente em Cabo Verde, o sistema Kitson. Esta ideia pegou a cidade passou da escuridão para a claridade nocturna e começou a idade Moderna no arquipélago. Bom hoje quase 200 anos do início desta aventura tudo parece mentira. Os mindelenses que julgam que esta ilha/cidade sempre existiu como ela se apresenta hoje ( muitos andam a desmantelar a cidade património, a sua memória e a pisar o seu passado) nem imaginam o esforço, o suor e o investimento humano e financeiro que isto tudo deu para que gerações futuras vivessem num meio com um nível de qualidade urbana comparável a qualquer meio civilizado.

3 comentários:

  1. Crítica do crítico a criticar:
    1 - Bom texto.
    2 - Boa lembrança.
    3 - Boa dimensão para blogue. Diria mesmo, a dimensão ideal.
    4 - Falta neste texto uma marreta para dar na cabeça dos que no Mindelo andam a dormir.
    5 - Faltam neste texto uma marreta e um bloco de "rotcha" do tamanho do Monte Cara para dar na cabeça dos que andam a destruir o Mindelo.
    6 - Falta neste texto... que seja lido pelos dos pontos 4 e 5.

    Braça marretal,
    Djack

    ResponderEliminar
  2. Eu só tenho de assinar por baixo do que escreveu o Djack.

    ResponderEliminar
  3. Amigos quem me dera não poder escrever isto. Gostaria de pensar em SVicente somente em termos de na Baía das Gatas debaixo de um parasol com os pés cruzados a tomar umas cervejinhas com umas bafas. Hélas temos muito 'souci' com a nossa ilha.

    ResponderEliminar