terça-feira, 8 de novembro de 2016

[9886] - POEIRA DOS TEMPOS...


Foto anos 20 (?) da, então, Rua Infante D. Henrique, hoje salvo erro, Rua de Santo António e, nos meus tempos de mindelense, Rua de Telégrafo (!)...
(Enviada por Artur Mendes)

6 comentários:

  1. Dúvidas? É claro que é a Rua de Santo António (vulgo de Matijim, nominha proveniente do nome do comerciante Mateus/Mateuzinho). Quanto à Rua Infante D. Henrique (a que afinal menos se vê no postal, embora dê nome ao mesmo, também não há dúvida de que é a do Telégrafo, hoje de 5 de Julho). E há uma loja comercial mais que conhecida e um banco mais que ultramarino que se dúvidas houvesse para a designação da Rua de Santo António logo se dissipariam.

    Braça toponímica,
    Djack

    ResponderEliminar
  2. Uma das ruas que foram baptizadas dezenas de vezes mas sem o consentimento do povo. Esquecem que o povo é um grande colectivo que tem mais força que um edil manhento ou um falsificador da Historia: - Rua do Telégrafo. Pronto e acabou-se !!!

    ResponderEliminar
  3. Volto.
    - Para os mais novos (da direita para a esquerda): as tres primeiras portas eram a Casa Raul Ramiro de Caires (gerente Pedro "Caires"), a seguir a Casa Leça Ribeiro & Irmaos, depois o BNU onde os que tinham punham. Apos a famosa Rua de Lisboa temos a Central de Nho Pidrim Bunucci, a partir de onde começa a Rua do Telégrafo.
    Mudam os nomes mas... o certo està nas nossas cabecinhas.

    ResponderEliminar
  4. Caro Valdemar

    Caro Valdemar

    "Memoria d'lefante" (salvo seja) má um ta dáve um prémio pâ dzê qual eram os dois principais produtos (sabe di munde) que Lho Pedro Caires era representante?

    Braça que chocolate

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Casa era representante exclusivo dos chocolats Cadbury e uns drop's que tenho na memôria mas de cuja marca não me lembro.
      Também era - ao tempo - o ùnico lugar onde se vendia o famoso queijo holandês vulgarmente conhecido por "costinha vermelha". Ali se vendia, igualmente, as latas de manteiga, dita inglesa, mas que vinha da ilha da Madeira, terra dos proprietàrios.
      Havia muitos outros produtos, tudo de grande qualidade, sendo a casa muito procurada.

      Eliminar
  5. É mesmo a rua cujo prolongamento vai ter à rua do Telégrafo. Parece tudo ordenado e limpinho.

    ResponderEliminar