terça-feira, 22 de novembro de 2016

[9932] - CABO VERDE - A DIMENSÃO DA POBREZA...


A edição de 21 de Novembro do "Expresso da Ilhas",  publica um trabalho sob o título "35% dos cabo-verdianos vivem em pobreza absoluta" que, embora sublinhando que os números da pobreza extrema tenham registado ligeiro decréscimo não deixa de concluír que ainda atingem patamares de profunda preocupação...
Não deixa, no entanto, de ser significativo o contexto em que se move o único comentário que hoje registámos e que, pela sua contundente perspectiva merece especial reflexão... Por isso, pedimos vénia para a sua publicação:

"Clara Medina 21-11-2016 Reportar
A pergunta é até quando essas massas empobrecidas e exploradas ficarão passivas perante uma exibição pornografica de riqueza de uma faixa considerável da população ou seja, duma classe enriquecida, está claro que nem todos, de dia para noite. Eles, a maioria, não herdaram dos seus pais e nem tão pouco trabalharam arduamente, especialmente uma classe política ou indivíduos gravitando à volta dos partidos políticos e instituições governamentais. Creio que, até agora e publicamente apenas Onesimo Silveira teve a coragem de abordar este tema tabu que é uma possível Primavera Crioula, uma analogia histórica à Primavera Árabe, no seu último livro, "Uma vida, um mar de histórias."Essas elites, que perderam todo o pudor, gananciosos, sem nenhum espírito de solidariedade, cada vez mais preocupadas em enriquecer e exibir, repito uma vez mais, pornograficamente, a sua riqueza continuam indiferentes à pobreza que alastra a passos largos na nossa sociedade e pode ser que um dia esses desprotegidos despertarão dessa aparente apatia e letargia e exigirão, a bem ou a mal, o que lhes foi negado ou seja roubado.A história contemporânea está cheia de exemplos que infelizmente e teimosamente continuamos a negar e a desconhecer com todas as suas consequências. Ê simplesmente uma ingenuidade, uma crassa ignorância, continuarmos a pensar que nós somos uma excepção. E depois, quem sabe, talvez será muito tarde " não nos venham dizer que não vos avisamos!"

5 comentários:

  1. Depois do vazio de Domingo pensei para comigo que alguma coisa estava para acontecer com o ARROZCATUM. E defacto aconteceu... surgiu um novo visual! E que novo visual...
    Mais alegre, mais limpo(?) e menos cansativo para a vista. GOSTEI.
    Assim como gostei do que acabei de ler acima. Aliás não poderia ser diferente do que se passa por esse MUNDO fora...
    Um abraço brotas

    ResponderEliminar
  2. Pois é: o chocolate é bom mas a cor é um pouco exigente para a vista... Gostei que tenhas gostado, brotas!
    Abração!

    ResponderEliminar
  3. O povo do "Nothingland" espera uma Madre Tereza ou um Capitão Ambrosio porque não conta com os Edis, os Deputados e as Forças que jà não são Vivas.
    O Arroz està mais claro mas sempre com o seu atum.

    ResponderEliminar
  4. No blogue Praia de Bote, acabei de comentar esta notícia. Vejo que os pensamentos se cruzaram, pois transcrevi este comentário da Clara Medina dizendo que assino por baixo.
    Enquanto uns afagam o ego (sagrações académicas em falsas universidades e exibição pacóvia de riqueza), um vasto sector do povo vive na miséria.

    ResponderEliminar
  5. Arrozcatum ficou mais lindo, mas Zito devias aumentar os caracteres, pelo menos a nível dos coemntários.
    Quanto ao conteúdo do Post confirma aquilo que andamos a dizer é preciso uma profunda Reforma de CV senão aquilo não tem futuro. As sucessivas lideranças em CV são as responsáveis pela situação do país.

    ResponderEliminar