sexta-feira, 18 de julho de 2014

[7188] - CABO VERDE E O PINTOR,,,



Colabor. de José F. Lopes

7 comentários:

  1. Imagens documentais de grande interesse, embora em termo artísticos não sejam grande coisa, nomeadamente no tratamento das montanhas. Fogo, Brava e Santiago ficaram assim registadas no tempo, nesses meados de século XIX português romântico, no ano bissexto em que um rapaz chamado Karl Marx publicou o seu "Das Kapital" , em parceria com o seu amigo Frederico e em que em Portugal havia uma rainha Maria bem como um Garrett de longas e boas escritas.


    Braça de diazá,
    Djack

    ResponderEliminar
  2. Sorry, o que os rapazes (Carlos e Frederico) publicaram foi o Manifesto do Partido Comunista. Já ia cometendo um deslize imperdoavelmente socialista.

    Braça com foice e martelo,
    Djack

    ResponderEliminar
  3. É sempre complicado opinar sobre pintura, principalmente para quem,como eu, não está capacitado para isso. E depois de o Djack falar, para mim está tudo dito.

    ResponderEliminar
  4. Djack, já foi há tanto tempo que um tipo acaba por se esquecer...Quanto às montanhas, acho-lhes uma certa piada: parecem coisas vivas...Mas, o que na realidade interessa, é o documento em si e o que ele possa representar sob o ponto de vista histórico...

    ResponderEliminar
  5. Olho para a imagem do platô da Praia e penso que ele talvez nunca tivesse sido povoado se não fosse a pirataria ter atacado tantas vezes a Ribeira Grande. Fartos dos flibusteiros de Drake e de outros ladrões dos mares, os ribeiragrandenses rasparam-se para ali e edificaram a capital do arquipélago. Essa capital onde como nomes de ruas vemos os de tantos portugueses: Machado dos Santos, Serpa Pinto, Fontes Pereira de Melo, António Lereno, Andrade Corvo... e até uma Rua da Madragoa. É afinal história que convive muito bem com a Rua Amílcar Cabral e a Rua 5 de Julho. Bom exemplo, muito bom exemplo da sabedoria cabo-verdiana.

    Braça toponímica,
    Djack

    ResponderEliminar
  6. É claro que a pirataria não foi o único motivo para o lançamento da Praia. Questões de salubridade também foram decisivas.

    Braça com adenda ao comentário anterior (eu bem digo que se deve sempre voltar ao local do crime, para ver o que está mal ou ali falta...)
    Djack

    ResponderEliminar