sexta-feira, 22 de agosto de 2014

[7305] - ENTERRAR A MEMÓRIA...


De acordo com a denúncia do colega "Praia-de-Bote", a Câmara Municipal de S.Vicente (Cabo Verde) prepara-se para enviar para o lixo uma quantidade não revelada de documentos, muitos dos quais relativos aos séculos XIX e XX...

Não se conhece, em pormenor, de que documentos se trata mas, sejam eles quais forem, certamente que contam parte da história da ilha e dos seus habitantes e, meus senhores, a História, que é a Memória dos Povos, não se enterra, conserva-se...

Mas - nestas coisas há sempre um mas - alguns mindelenses influentes não vêm com bons olhos a alternativa  do envio deste acervo julgado supérfluo para a Praia, onde seria conservado no Arquivo Nacional mas, ao que parece, nada fazem para dar à Câmara Municipal uma alternativa para a sua permanência no Mindelo, sem ser, claro, no lixo...


Preso por ter cão, preso por não ter, daqui se apela ao bom senso das pessoas que possam fazer algo para que o Município de S.Vicente se não veja forçado, por falta de alternativas, a enterrar uma parte da Memória da Ilha...

6 comentários:

  1. Hoje em dia um simples "telemóvel com camara fotográfica", dá para fotografar documentos...

    É o próprio Arquivo Histórico Ultramarino, que aconselha o uso de maquina fotográfica para evitar o pagamento de fotocopias ... além de poderem ser descarregadas directamente no computador. Qualquer camara profissional resolvia o problema. PÂ QUÊ GUERRA?

    ResponderEliminar
  2. Se a Camara Municipal de S.Vicente enviar para o lixo documentos do aruivo histórico esta atitude pode ser considerada como um acto de traição. não vejo com bons olhos o envio dode acervo julgado supérfluo para o Arquivo Nacional da desleixada República de Santiago que tem participado com zelo ou omissão na destruição de parte do património da ilha. Hoje em dia com um scaner um computador e alguns estudantes estagiários faz-se o trabalho de arquivamento sem grandes dificuldades. deve-se criar um Arquivo da Ilha pois nesta matéria todo cuidado é pouco.A acontecer esta destruição só poderíamos ficar ainda mais indignados. Enfim parece que em CV estamos no Fim dos Tempos. Jose F Lopes

    ResponderEliminar
  3. A CMSV não pode nem deve destruir parte do acervo histórico da ilha sem ser avaliada o que está em jogo Também vejo com maus olhos o envio deste parte da história da ilha para os Arquivos da desleixada República de Santiago pois todos sabemos a que destino foi votado o património histórico da ilha. . Já estamos escaldados. Vamos seguir este assunto com atenção devida.Jose F Lopes

    ResponderEliminar
  4. Infelizmente, ainda algumas instituições põe-se a trabalhar em Arquivos pessoas sem qualquer preparação. Qualquer "Manejuquim" serve para trabalhar nos Arquivos.
    Agora não é de se estranhar esta falta de sensibilidade generalizada para com tudo aquilo que diz respeito a História da Ilha de São Vicente passada e recente. Demolição de prédios, desmantelamento de máquinas, destruição de miradouros, e agora destruição de Arquivos.
    É a realidade do estado da nossa formação mural e cívica. Enquanto isto não for mudado, continuaremos a ter este tipo de atitude.

    ResponderEliminar
  5. Atenção:
    Excelência Senhor Presidente da Camara Municipal de S. Vicente.

    Se Vexa me pagar as passagens estadia no Mindelo, encarregar-me hei de digitalizar todos os documentos da Camara,& S. Pedro, Salamança, Monte Verde e Baia das Gatas, Lombo, Matiota etc, tec, etc À BORLA!

    ResponderEliminar
  6. O que normalmente se faz nestes casos é nomear uma comissão competente para a análise dos documentos com vista a salvaguardar o que for de interesse histórico. Saberão eles isso?

    ResponderEliminar