domingo, 14 de setembro de 2014

[7410] - POEIRA DO TEMPO...

Colecção de Djô Martins

Anos 30, casas de ingleses em zona de expansão da cidade do Mindelo...O edifício do primeiro plano parece ser a casa do poeta José Lopes...

15 comentários:

  1. Deixemos o José Lopes... noutra altura, mais recente (anos 60), não morou aqui outra figura grada do Mindelo?

    Braça com desenho,
    Djack

    ResponderEliminar
  2. Mais importante do que o venerando e venerado José Lopes, não estou a ver,,,A não ser que se queira referir ao Xiquinho Lopes da Silva, sem dúvida, pessoa igualmente grada e...da família!

    ResponderEliminar
  3. O Zito? Entao o que é isso? Não estàs atento, Pà. Essa casa (que fica logo de tràs do Eden Park) é do Nhô Xinxin.
    A do poeta José Lopes, onde vivia com a filha, mãe do Xiquinho Lopes da Silva, ainda se vê parcialmente logo de seguida, antes das tais casas dos inglêses, conhecidas por Casas de Pé de Rotcha. Eram quatro grupos; os dois primeiros de duas moradias rés-de-chão e as outras de quatro (com andar). A particularidade é serem todas anti-sismicas como é também a Casa Nova na Praca Nova.

    ResponderEliminar
  4. Olá, Val, tens razão - como sempre...Peço desculpas pelo erro de perspectiva e pela semelhança das construções...

    ResponderEliminar
  5. Eu posso estar muito enganado, mas tenho uma vaga ideia que nesta casa viveu o Dr. Chantre (Chantrom) e a família (incluindo o meu colega e amigo Vicente "Bitchenta"). Nunca me esquecerei daquele apoio de escada de entrada (após o muro com pilares) que se repete no apoio à escada do terraço que imitavam em cimento troncos de árvore. Nunca lá entrei mas joguei à bola ali perto com o Bitchenta e tenho ideia de que era a casa onde ele residia (ou então situava-se muito perto). Mas é uma certeza ténue... Quanto às grandes vivendas brancas do último plano à esquerda, a da ponta esquerda era a do Capitão dos Portos e acho que a seguinte era do juíz (o Germano Almeida ainda residiu numa temporariamente, por via de cargo público que exerceu, antes de mandar construir a que hoje tem).

    Braça duvidosa,
    Djack

    ResponderEliminar
  6. Tenho uma ideia semelhante,no que respeita ao "palacete"..e creio que o Dadal Martins morava numa dessas casas de inglês....

    ResponderEliminar
  7. Quando a Western fechou as casas foram vendidos por preço de leilão e não sei quem comprou. Ou melhor, uma delas pertenceu ao Crato Monteiro.
    Eram de concepção maravilhosa e pode-se aceitar o que o Zito diz "palacete".

    ResponderEliminar
  8. Então, ninguém confirma ou desmente a minha suposição? O Dr. Chantre "Chantrom" morou ali ou não?

    Braça à espera,
    Djack

    ResponderEliminar
  9. Enquanto espero sentado pela confirmação pedida, lembro que do Dadal, entre outras coisas, ficou a memória do "Polvo à Dadal", prato que ficou para a posteridade no livro de Maria de Lourdes Chantre.

    Braça tentacular,
    Djack

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dadal foi sempre despachante oficial da Drogaria e, muitas vezes, ía a casa dele ajudar nos despachos aduaneiros, durante o fim-de-semana, pois eram extensos e complicados...Dadal tinha um orgulho especial na sua colecção de isqueiros e, quando, uma noite, a casa lhe foi assaltada e, entre outras coisas, lhe levaram a sua rica colecção foi finalmente desvendada a verdade sobre ela: Dadal acabou por confessar que a colecção era importante pois era, toda, de isqueiros que ele surripiava aos amigos...Claro que não havia Ronson's nem Dupont's eram, via de regra, isqueiros de publicidade...

      Eliminar
  10. Diz quem sabe:

    A casa pertenceu a Nhô XINXIM... Depois da independência foi o consulado de Portugal . Hoje é um restaurante e moradia.

    P'lo Ilustre Técnico Urbanístico

    Daniel Mascarenhas - DJIBLA

    ResponderEliminar
  11. Ainda espero sentado que alguém me diga se na casa morou ou não o professor Chantrom...

    Braça esperante,
    Djack

    ResponderEliminar
  12. Se bem me recordo, o prof.Chantrom morava para aqueles lados mas não posso garantir que tenha sido neste prédio...

    ResponderEliminar
  13. Sim, Jack, a casa do Chantrom era a que indicaste, ou seja, era a casa onde, mais tarde, funcionou o Consulado de Portugal no Mindelo. Podia não ser propriedade do Chantrom, mas era lá que ele vivia com a família na década de 60 e parte da de 70.

    ResponderEliminar