segunda-feira, 15 de setembro de 2014

[7412] - ERA UMA VEZ, S. VICENTE - (4)...


As Companhias Carvoeiras
Em 1851, estabelece Tomas Miller outro depósito em terra, seguindo-se-lhes os da G. S. P. C., denominada Patent Full e o de Visger & Miller, fundindo-se esta em 1860 com a Patent Full sob a designação de Miller & Nephew. Em 1854 é lançado o imposto de 100 reais por tonelada de carvão, devendo, a receita ser aplicada em obras públicas em S. Vicente.
Em 1875 estabelece-se a Cory Bros. & Co. que, fazendo baixar muito o preço do carvão, faz afluir a navegação, de novo, a S. Vicente. Anos depois, fundem-se as companhias Miller e Cory com a designação de Millers & Corys, que ainda hoje conserva mas, mancomunando-se com outras companhias, sobem exageradamente o preço do carvão, afugentando de novo a navegação, que começa a procurar os portos das Canárias.
Servia-lhes de pretexto a elevação dos direitos para 300 reais por tonelada, como decretado em 30 de Outubro de 1880. Em 1985, estabelecem-se com um novo depósito em terra Wilson, a Sons & Co. e, com um depósito flutuante, a firma alemã Brewer & Co., de Bochum, que encerra em 1887. Aproveitando este facto, e para não se guerrearem, fundem-se as duas companhias, dando como resultado um novo afastamento da navegação, sempre em benefício das Canárias, que a esse tempo, com as obras do porto da La Luz, começava a oferecer vantagens incontestáveis sobre S. Vicente. O mal foi-se agravando e, aí por 1891, custava o carvão em S. Vicente a quantia fabulosa de 34 shilling, cada tonelada posta a bordo, ao passo que nas Canárias se vendia a 17 schillig!! Era esta diferença devida à ganancia das casas carvoeiras, pelo que foi concedido, por decreto de 26 de Setembro desse ano, a António Júlio Machado, o estabelecimento de um depósito de carvão, fundando-se a Companhia Nacional, o que fez logo baixar o preço para 20 shilling a tonelada, sentindo-se os seus efeitos no aumento da frequência de entradas no Porto Grande.
Mas, passado não muito tempo, a Companhia Nacional mancomunou-se, também, com as outras, passando o preço a ser fixado de comum acordo entre todas, regime que ainda hoje vigora, passando os seus capitais e gerências a ser ingleses, a ponto de até o nome em português ter desaparecido...
O apetrechamento actual do Porto Grande é o seguinte:
MILLERS & CORYS, CVI, LTD
SAINT-VICENT (C.V.I.) COALING CO. LTD
WILSON, SONS & CO. LTD
LISBON COAL & OIL FUEL CO. LTD (Uma das ramificações da Royal Dutch Shell)
S. Vicente, Janeiro de 1929
In : Separata nº. 45 / Boletim da Agencia Geral das Colónias

Pesquisa - A.Mendes


2 comentários: