domingo, 30 de novembro de 2014

{7678] - A PÁTRIA HONRAI, QUE A PÁTRIA VOS CONTEMPLA...

PORTUGUESES:

O Presente
exige-nos que construamos o
Futuro
honrando o nosso
Passado!


VIVA
O
1º DE DEZEMBRO
DE

1640


9 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Praia de Bote, que contava estar neste momento junto ao monumento aos Restauradores da Independência, está a trabalhar na revisão de mais um número de joprnal cabo-verdiano que não pode esperar para entrar nas "rotativas" - ou seja, a coisa tem de ser feita hoje, sem falta. Seja como for, estamos em espírito, comemorando o 1.º de Dezembro, como bom calipolense que somos, da mesma terra alentejana (Vila Viçosa) do Rei que iniciou a 4.ª dinastia, esse João Restaurador, também ele de boa memoria. Viva Portugal, viva a independência nacional e já agora, também viva Cabo Verde, nesta hora aziaga de vil e traidor vulcão foguense.

    Braça para o Arroz,
    Djack

    ResponderEliminar
  3. Quanto à frase "marítima" de topo, que nada tem a ver com a Restauração mas que se adequa bem ao dia, aqui fica o historial, com decreto de nascimento e tudo, vindo da Ordem da Armada de 31 de Março de 1863:

    “Manda sua Magestade El-Rei declarar ao Conselheiro, inspector do Arsenal de Marinha, que sendo muito conveniente estimular por todos os modos os brios patrióticos e os nobres sentimentos, há por bem ordenar que imediatamente faça aprontar e assentar, nos navios que tenham tombadilho no vau deste, e nos outros, no ponto mais visível da tolda, a seguinte inscrição em letras de metal bem visíveis “A PATRIA HONRAI QUE A PATRIA VOS CONTEMPLA” o que, pela Secretaria d`Estado dos Negócios da Marinha e Ultramar, se comunica o citado inspector para sua inteligência e devidos efeitos. Paço, 20 de Março de 1863 - José da Silva Mendes Leal” (JSML foi jornalista, deputado da nação, ministro cabralista e embaixador.)

    Juntamos portanto aos vivas anteriores, um viva à Armada portuguesa.

    Braça com velame desfraldado,
    Djack

    ResponderEliminar
  4. Neste dia nos anos sessenta e anteriores estoiravam foguetes pelas 8 da manhã na minha terra (Montemor-o-Velho) e era feriado nacional como foi até há pouco. Toda a gente sabia o porquê. E hoje? Muitos decerto ignoram, e outros (responsáveis) fizeram o possível para que o feito fôsse relegado, e sei lá esquecido mesmo. A palavra Pátria, desapareceu do vocabulário de muitos portugueses. Tenho pena...
    Abraço.
    Dílita

    ResponderEliminar
  5. .

    Desapareceu "A PATRIA" de que até os meninos falavam com orgulho para se ouvir "o povo é quem mais ordena".
    E està tudo desordenado e apetece empregar outro vocabulàrio. Calma !!! Respeitamos os ouvidos mais sensiveis.

    .

    ResponderEliminar
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  7. É preciso uma desordem p´ra acabar com esta ordem!
    (como dizem os brasileiros)

    Mas em boa verdade eu não sei o que é preciso. Ou antes, eu não sei o que se há-de fazer,
    secalhar esperar um dilúvio...

    Braça, não é assim que se diz? Extensivo ao Zito.
    Dilita

    Zito desculpe, porque o m/ computador está a duplicar o que escrevo, por isso fiz duas remoções.

    ResponderEliminar
  8. A noção de pátria dificilmente perderá o seu sentido, mesmo a acreditar que a globalização surtirá efeito em todo o planeta, padronizando as mentes, os interesses e as culturas. Pode ser que num futuro ainda distante isso possa vir a acontecer, pode ser. Por enquanto só nos sentimos seguros e conscientes do que somos na presença e em comunhão com os que nos são próximos.

    ResponderEliminar
  9. 1 de Dezembro era uma festa castiça de que me lembro bem.

    ResponderEliminar