sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

[7714] - DE CABEÇA PERDIDA...




CABO VERDE - 1908

QUE CABEÇA PARA ESTE CORPO?!

(Colab. A.Mendes)

22 comentários:

  1. Será Armando Napoleão Fernandes? (pai das Contistas Orlanda Amarílis e Ivone Ramos) Será Eugénio Tavares, o famoso bardo bravense? Quem será?...

    Abraços
    Ondina

    ResponderEliminar
  2. Agora é que fico baralhado !
    Mesmo assim vou pelo sogro do Nena, Sr. Armando Napoleão. Isso so porque, nas fotos que eu vi, parecia-me mais magrinho.
    Vou aguardar sem medo dos ramos de espinheira do Djack.

    ResponderEliminar
  3. Poderá ser Pedro Cardoso, "Afro", pela época que transparece dos caracteres do jornal... E parece-me que o texto acima não estava "pegado" na origem à imagem. O texto é de uma publicação e a imagem é de outra... parece-me... Um poeta que escrevia em crioulo era o Sérgio Frusoni mas não julgo que ele seja a figura descrita aqui. Poderá até ser o Eugénio Tavares que se vestia muito bem e poetava em crioulo, embora também neste caso a descrição não pareça adquada a ele. Mas de certeza que é aquele que é...

    Braça ignorante,
    Djack

    ResponderEliminar
  4. Última hora: DECO suspende concurso do Arrozcatum, por este não nem data de conclusão do mesmo nem prémio a a tribuir ao vencedor. Blogue protestou e Tribunal de 6.ª Instância aplicou-lhe coima de 500 latas de atum a entregar na LEP (Liga de Esfomeados de Peixe). Arrozcatum recorreu junto do Supremo e este não só mostou concordância com a pena como a agravou com mais 1000 latas a entregar na ADGDQ (Associação de Donos de Gatos Desvalidos de Queluz). Eu se fosse ao Arrozcatum, nunca mais piava...

    ResponderEliminar
  5. Gralha emendada na primeira linha do comentário anterior: "por este não ter nem data de"

    ResponderEliminar
  6. O " Olho de Lince" de nome de crisma : Nhô Quim de Djack tem razão num pormenor : - A foto não acompanha o texto .

    Premio do colaborador: 5 Kgs de percebes.

    ResponderEliminar
  7. AcA não tem nada a ver com o assunto, nem isto é um concurso pois acabaram-se-me os ramos de acácia...Toda e qualquer reclamação, comentário ou afim deve ser cometido ao fornecedor do texto e da imagem do descabeçado, o conhecido antropólogo Amendes...Quanto a latas de atum de coima fui informado que não existe tanta quantidade na fábrica de S.Nicolau, e não queria pagar com albacora de Marrocos...

    ResponderEliminar
  8. Creio que desta vez estou mesmo off. Sinceramente, com todos estes requintes de indumentária e de etiqueta social, creio que só pode ser alguém na diáspora, e mesmo assim alguém especial.

    ResponderEliminar
  9. Zito, retirando o que disse no comentário anteror, pergunto se não será o Pa Jom, o avô da Maiúca.

    ResponderEliminar
  10. Persiste o mistério...

    Braça na ignorância,
    Djack

    ResponderEliminar
  11. E para quando o fim do..."suspense"?
    Resolvam-nos o mistério!
    Abraços da Ondina ansiosa.

    ResponderEliminar
  12. Às tantas é o Djosa de nha Bia. Para o Arrozcatum demorar tanto a desvendar o mistério é porque afinal é esse o cavalheiro e todos sabemos que o Ac'A não gosta nada dele.

    Braça com o mistério resolvido,
    Djack

    ResponderEliminar
  13. AcA garante, com a mão esquerda sobre o Corão, que não faz a mínima,,,Amigo Adriano, Pá John era um velhinho de 1,60, professor primário de profissão (chegou a Administrador) mas que eu saiba nunca versejou em crioulo, aliás, nunca o ouvi, sequer "falar" crioulo!

    ResponderEliminar
  14. Então o Atum faz perguntas às quais não sabe responder? Isso é grave. Eu diria mesmo: é muito grave. Eu diria mais: é gravíssimo. Atum já de volta à Escola Camões.

    Braça escolar,
    Djack

    ResponderEliminar
  15. AcA foi, apenas, veículo de uma bem humorada adivinha saida dos arquivos milenares do Amendes a quem, de resto, já recomendei que desvendasse o mistério...Quanto ao mais, amigo Djack, nem imagina com que alegria ou regressaria à Escola Camões...e ao conivívio com tantas amigos alguns, infelizmente, já desaparecidos...
    Braça de 3ª classe,
    Zito

    ResponderEliminar
  16. Quanto a Escola Camões, eis o que um amigo (meu) escreveu num romance (seu) há uns anos:

    (...) A 4.ª classe começou mal. Primeiro, não tive lugar na Escola Camões. Dizia-se que era a que tinha melho-res requisitos e corpo docente e, na realidade, frequen-tava-a muita da rapaziada de nome sonante do Mindelo. A minha mãe ainda tentou meter cunha junto de uma das professoras, mas de nada lhe valeu, porque as salas estavam repletas e nenhuma queria mais um aluno cujo passado escolar lhe era desconhecido. Assim, fui parar à escolinha da Rua do Coco, sala única num primeiro andar, para o qual se subia por escadaria de cimento a céu descoberto. Naturalmente, no início, a garotada estranhou-me; mas em breve estabelecemos boas relações, à custa de ofertas de desenhos de cowboys, de índios e de guardas-republicanos a cavalo, com os seus capacetes emplumados, aqueles de que mais gostava e melhor sabia fazer. (...)

    Quanto a mistério, estamos na mesma, desde dia 16... Não se faz... não se faz mesmo isto a uma multidão de umas 135 000 pessoas que quase há uma semana estão à espera de saber o desfecho do galã-poeta. Não se faz...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em segunda visita vi agora uns hífenes na prosa que não existem no original. Coisas malucas da informática: melho-res e frequen-tava-a...

      Desculpas sem culpa,
      Djack

      Eliminar
  17. Há males que vêm por bem...Não fora a descontracção do Amendes e tinha-se perdido alguma prosa trazida pela poeira dos tempos e a memória de alguns mestres-escola, da velha escola, da vara de tâmara e da menina de 5 olhos...Evoco, aqui, com reverencia e muito carinho as figuras dos professores Carvalho e Amaral...

    ResponderEliminar
  18. Quanto ao galã-poeta, declaro que desisto de insistir na obtenção da resposta, o que fiz com insistências insistentes, insistidas com insistência.

    Braça desmoralizada,
    Djack

    ResponderEliminar
  19. Zito:

    A foto do "elegante" faz-nos lembrar muita gente e, à tabela, muitas estórias. Aos nomes dos professores Amaral a Carvalho, associemos D. Assunção Amaral, também da Escola Camões, que foi minha professora por o Sr. José Jardim ter-se aposentado em pleno ano escolar.
    Grande Escola, essa academia da instrução primária.
    Braça d'sodade pa tude gente

    ResponderEliminar
  20. HENRIQUE VASCONCELOS

    Quem quiser saber mais fale comigo às 10 horas na Escola Nova.

    ResponderEliminar
  21. Bem, tenho de confessar que não conheço a pessoa e não me lembro de ter ouvido falar dele.

    ResponderEliminar