sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

[7810] - PERDA DE CREDILIDADE...

Monumento à Liberade de Imprensa
Gustavo Penna

O amigo Amendes, respondeu assim ao Post Nº 7809 do "Arrozcatum":
[amendes 20 de fevereiro de 2015 às 14:20

Não tem a ver com "Androids & Malweres.... Mas com DEVASSAS:

Noticia da SIC- " Cabo Verde desceu de 24 para 36 no ranking da liberdade de Imprensa"

Desconhecia que na "nós terra" havia "pide" censória!

O que mais nos irá surpreender?]

N.E. - SÓ ME OCORRE SECUNDAR A INTERROGAÇÃO DO AMENDES...

7 comentários:

  1. Por aquilo que conheço, há alguns casos mal explicados que dão azo a interrogações. Por exemplo, O Liberal, que era um jornal online com muita pujança e frequência, foi subitamente fechado sem nunca ter havido uma explicação plausível. Era onde publicávamos as nossas opiniões contra o centralismo político e o excesso de burocracia.

    ResponderEliminar
  2. Apetece-me reafirmar o prazer com que tenho ouvido o violonista Humbertona neste blogue. Estas melodias fazem-me sentir como um pássaro voando serenamente no litoral das nossas ilhas, a vista perdendo-se na espuma branca a desfazer-se nas rochas, o espírito mediando entre o desejo das alturas e o aconchego da terra brava.
    Bom seria que o Humbertona viesse aqui comer um pratinho de arrrozcatum enquanto dedilha as cordas do seu violão.

    ResponderEliminar
  3. Sem desprimor para o violista, bom executante, não o ouvia aqui com o anuncio da perda de credibilidade que não é so na imprensa. Cabo Verde vive numa prensa que està sendo pressionada cada dia um "czinha". Qualquer dia desses vai ficar "platchide".

    ResponderEliminar
  4. Esta música de violão transporta-me também ao silêncio nocturno das fraldas do Mindelo, a noite já mergulhada em sono profundo, o cantar dos grilos o único acompanhante de algum solitário que além fura a escuridão. O cansaço do corpo rendeu-se às tréguas da noite, mas há sempre um coração desperto para a magia da espera. E o violista (não violonista como escrevi atrás) sabe bem como tocar a corda sensível.

    ResponderEliminar
  5. Hà mudanças que - por mais belas que sejam - não conseguimos adoptar e, por isso, tratam-nos de saudosistas. Penso ser falso na medida em que todos e cada um memorisa momentos, factos e pessoas tanto pela positiva como pela negativa. Ouvimos concertos, sinfonias ou simples nùmeros musicais de artistas de grande valor ou de jovens que procuram projecção mas... não conseguem fazer-nos esquecer as serenatas de outrora, na sua maioria, constituidas de um violino e dois violões. O lugar e o contexto conta(ra)m para que registàssemos momentos ou passagens indeléveis da nossa vida.
    Sodade, sodade !!!

    ResponderEliminar
  6. Recordo, igualmente, o desaparecimento do JORNAL DE S. NICOLAU...
    Braça, triste...
    Zito

    ResponderEliminar
  7. Tomo agora conhecimento do desaparecimento do jornal de S. Nicolau. Um jornal que nasceu sob a égide de um grande dinamismo e vontade de introduzir uma nova página na comunicação, mas uma página não enfeudada a interesses que não sejam o de informar e opinar "tout court". Com o Liberal aconteceu o mesmo. Haja alguém que explique os contornos destas aparições seguidas de súbitas extinções. Fenómeno estranho, não é? A república de Cabo Verde exige uma explicação.
    Nem a suave e fascinante melodia deste violão acalma a nossa revolta por saber que alguma comunicação na nossa terra possa estar a ser açaimada. Mas será que sim?

    ResponderEliminar