quarta-feira, 18 de março de 2015

[7911] - TIRO PELA CULATRA...

Drª. Ligia Fonseca
José Maria Neves: "A Primeira-dama não deve interferir nas questões sobre política interna do país" - 17 Março 2015

O Primeiro-ministro de Cabo Verde, José Maria Neves, disse esta segunda-feira, 16, que a Primeira-dama de Cabo Verde não deve interferir nas questões relacionadas com a política interna do país porque ela não foi eleita nem é um agente político. Neves reagia, assim, às afirmações de Lígia Fonseca que defendia "um estatuto para a cônjuge do Presidente da República”.

José Maria Neves: 
“A Primeira-dama deve ser mais moderada, ter mais contenção e cuidado ao interferir na política interna nacional porque ela não é um agente político e não foi eleita", declarou Neves, após a IV reunião (do Conselho Coordenador do Programa “Mudar para Competir". “Não fica bem, num país como o nosso, com o sistema de Governo que tem (parlamentarismo mitigado), a Primeira-dama pronunciar-se sobre questões de política interna”, sustentou.

Recorde-se que Lígia Fonseca defendeu numa entrevista à RCV que a exigência de um estatuto para a cônjuge do Presidente da República se justifica pela necessidade de haver maior transparência na gestão da coisa pública. É que, segundo a primeira dama, o estatuto poderia regularizar as despesas feitas nas missões que a mulher do Presidente da República faz, principalmente acções de solidariedade e outras actividades que a sua posição exige. (A Semana)

4 comentários:

  1. .



    A Primeira Dama tem o dever de ser a primeira cidadã em todo o sentido da palavra, tanto mais que pode e sabe quando e como falar e/ou evitar os confrontos conflituosos vindos de quem não quer perder o monopólio dos comunicados mentirosos para época de eleições.

    Estão mal habituados por não encontrarem resistência num areópago constituído por fanáticos que vendem as mães para proteger o partido; e quando um cidadão se levanta para cumprir o seu dever cívico é logo catalogado de bairrista ou de perturbador e suas reclamações classificadas de insultos.
    Se tenho algo a "reprovar" à Primeira Dama é a sua ausência, esse tempo todo, em não ter manifestado, permitindo a alguns poderosos ultrapassar os limites da decência, não protegendo os necessitados e os incapazes das garras de galifões que, uma vez nomeados se preocupam com a sacola pessoal e a dos afins.
    Infelizmente isso sucede com pessoas em todas as camadas sociais, demonstrando a necessidade de uma "Terapia Social" que é um método de intervenção e de formação.

    ResponderEliminar
  2. A terapia social




    Método transdisciplinar de intervenção e de formação, inventada por Charles Rojzman nos anos 80 do século passado

    Os seus objectivos principais são a psicoterapia da ligação social, uma educação à vida democrática e a emergência da inteligência colectiva para resolver os problemas, as mais variadas e as mais complexas, da sociedade
    Não se trata de curar as pessoas mas melhorar as relações sociais e educar à vida democrática, desenvolvendo o espírito critico, a capacidade ao conflito sem violência, e à responsabilidade individual.
    Nunca recusar o entendimento, disformar ou ridicularizar, ouvir e responder ponto por ponto educada e veemente.

    Ema Rodrigues

    ResponderEliminar
  3. Pelos vistos, a primeira dama tem de estar com a boca trancada. Além de não surpreender certa falta de espírito democrático em Cabo Verde, choca a deselegância do PM para com a primeira dama. A Ema Rodrigues tem razão no que diz quando sugere uma educação democrática na nossa terra, pois uma coisa é a fachada institucional com letreiro de democracia e outra a vivência concreta dentro das suas paredes.

    ResponderEliminar
  4. Com este homem a democracia fica ainda mais doente

    ResponderEliminar