domingo, 1 de março de 2015

[7831] - SERÁ QUE AÍNDA EXISTE?!


A PERGUNTA É DO AMENDES...ESTE MIRADOURO, NA OURELA DA BAÍA DO PORTO GRANDE, CHAMAVA-SE "CRAVEIRO LOPES"...
(Foto AHU)

5 comentários:

  1. Claro que não. Foi mais um que foi à vida. Era um cruzeiro a Diogo Afonso, com legenda alusiva feita no cimento do mesmo, mandado edificar pela Câmara Muncipal de São Vicente e inaugurado por ocasião da viagem de Craveiro Lopes, entre 15 e 26 de Maio de 1955 a Cabo Verde e à Guiné. O assunto já foi tratado no Praia de Bote, post 93. Sobreviveu-lhe o escudo de bronze da base (que nesta foto do IICT sapenas se vislumbra), o qual hoje se pode ver no pedestal da estátua a Diogo Afonso. Onde? Na Praia de Bote, claro... Em 1999 ainda havia restos da base. Hoje, decerto, nem isso ali se verá.

    Braça destrutiva,
    Djack

    ResponderEliminar
  2. Foi tudo levado por uma onda demencial e assassina que repentinamente galgou aquela terra. Hoje, estão a pagar pelo seu acto tresloucado, porque ficaram sob as patas de outro jugo. E agora andam sossegadinhos como carneiros mansos.

    ResponderEliminar
  3. Ê verdade. Anda tudo mudo mas por dentro tudo anda como numa panela de pressão. Deitaram para uma longa "siesta" e quando acordarem estarà tude na tchom.
    Ê incompreensivel a forma como aceitam o vandalismo disfarçado. Nem sequer aparece um daqueles compositores brejeiros para assinalar o evento como faziam com coladeiras e mesmo mornas.
    Nôs terra jà cabà na nada. So falta oficializar o novo nome.

    ResponderEliminar
  4. Tudo o que estava no miradouro foi à vida e com ele o padrão. Há tempos havia um monte de escombros símbolo da debacle. Já deve ter nascido um arranha-céus. Com o derrube leviano do património 'Um nadinha' quase que Portugal não teria passado por Cabo Verde e nem cabo-verdianos do século XX...... Mas há marcas indeléveis da presença humana nesta ilhas fruto de encontro de civilizações que é a nossa riqueza

    ResponderEliminar
  5. Anotas bem, José. Apagando a presença dos povoadores e um do progenitores da nacionalidade, é como se Cabo Verde e os cabo-verdianos tivessem, qual milagre cósmico, nascidos de geração espontânea. Perder o sentido da História é como perder a bússola para a navegação rumo ao futuro.

    ResponderEliminar