domingo, 12 de abril de 2015

[7996] - ACUTILANTE E DISCUTÍVEL...

José Gabriel Mariano
A Democracia não existe em Cabo Verde
11 ABRIL 2015. PUBLICADO EM OPINIÃO

O voto em branco desmascara os mascarados!

A Democracia não existe em Kauberde. Os partidos reinantes mascaram-se em Cabral, no seu livre pensamento, para obscurecer o espírito do povo

Com diz e bem António Sérgio a propósito da influência efetiva e ativa dos espíritos livres e críticos, “ (…) – a fiscalização dos homens que nos governam, não só por parte dos seus adversários, filiados nos partidos que não estão no governo (os quais são impelidos, por via de regra, a um ataque geral e sistemático, falho de imparcialidade e de justiça), mas pelo cidadão de boa vontade, não filiado em nenhum partido, sem sectarismo e sem paixão, e capaz de apoiar em certos casos, de contrariar em outros casos, o mesmo partido ou o mesmo chefe”.

Esses partidos não podem pertencer mais ao espetro político, pois não respeitam Amílcar Cabral, o seu Povo, a sua História e a sua Língua. A Política é ação do povo e para o povo, não para proteção de interesses particulares e privados e, acima de tudo, não é para espíritos obtusos, amputadores do conhecimento e da cultura.

Esses partidos não são solução para Kauberde e sem eles o caminho para a liberdade de pensamento, para a democracia, para a aceitação, respeito, compreensão, tolerância e assunção pela diferença e por outrem torna-se possível.

Como bem diz António Sérgio “(…) a omnipotência e o absolutismo são sempre origem de corrupção na própria alma de quem os exerce, indivíduos ou colectividades. Quem nos limita e nos modera é nosso auxiliar e benfeitor. O adversário, em suma, é o sal que nos impede de nos corrompermos”.

Pois, por ora, em falta de uma solução partidariamente organizada, penso que o povo de Kauberde pode facilmente organizar-se para votar esmagadoramente em branco. Sim! O VOTO EM BRANCO!

Quanto à unidade política não há qualquer problema. O presidente da república é o garante da unidade do povo de Kauberde. Solução governativa haverá sempre depois de uma votação esmagadora em branco. O povo e o país não ficam abandonados. Existe o Presidente Jorge Fonseca que trás na sua alma e no seu coração a SABADORIA e MORABEZA di Nôs Pôve e é a sua unidade formal e substancial viva e ativa.

Torna-se fácil a sua organização. Kauberde compõe-se por ilhas. A população não é imensa. Será mais acessível transmitir a palavra ilha em ilha, expandindo por todo o arquipélago a necessidade de excomungar os atuais partidos da senda política kauberdiana, congregando-se e identificando-se movimentos nesse sentido. Só assim, julgo, será possível demonstrar que o que se quer em Kauberde é autêntica mudança, incentivo ao espírito crítico e especulativo; o incentivo pela busca da verdade filosófica, de princípios e de valores morais, éticos, justos, políticos, estéticos, que justificam os nossos fundamentos éticos de condutas de aceitação, respeito, compreensão, tolerância e assunção pela diferença e por outrem. Kauberde é assim; não são esses partidos que vão deformar o seu Povo. Não podemos admitir! O dia de hoje já não é necessário lutar.

Hoje mais do que nunca necessário se torna expandir a verdade, a honestidade, o espírito crítico, valores morais e éticos, o bem, o bom e saudável convívio entre as pessoas, porque só assim o que não interessa vai desaparecendo dos nossos quotidianos. Do que me vale ter uma recheada conta bancária, se tenho um espírito falido, insolvente e em bancarrota. O que valeu a Kauberde, e a sê Pôve se não fora o seu Amor, a sua Morabeza, a sua Democracia intrínseca, o seu espírito autodeterminado, a sua partida e o seu regresso eterno, a sua Emisferíada saudade: ka ê riquéza de subsole!

Melhor receita que o voto em Branco não há! Por enquanto…! Temos que ver “além do círculo embaciado da vidraça”.

(Sugerido por José F. Lopes)

N. R. - Se este artigo contém, na generalidade, elementos dignos de uma reflexão séria em torno da politica governamental em Cabo Verde (porquê Kauberde ?) enferma de algumas debilidades que os nossos comentadores, decerto, não deixarão de anotar...Força!

2 comentários:

  1. .
    A ideia do oportuno artigo merece aplausos e incentivos mas vou guardar os aplausos para melhor ocasião onde virão comigo os Marianos, os Lopes da Silva e os Morbey Ferro, ou seja, quando este neto do meu ilustre Amigo e Exmo. Senhor João de Deus Lopes da Silva Mariano escrever convenientemente o nome da terra de todos seus antepassados: - CABO VERDE, agora, e por enquanto, Repùblica de Cabo Verde.
    Um abraço de mantenhas

    .

    ResponderEliminar
  2. Cabo Verde é um nome tão bonito de um arquipélago como sempre foi conhecido. Para mim Kaoberdi não existe.
    José

    ResponderEliminar