sábado, 18 de abril de 2015

[8030] - O VERDADEIRO...


O INCONFUNDIVEL COZIDO À PORTUGUESA, EM DOSE CAVALAR, POR MENOS DE UM TERÇO
DO MONTANTE COBRADO PELA IMITAÇÃO DO TAVARES...
PARA DEGUSTAR O PRÉMIO, A DIVIDIR PELOS 
PARTICIPANTES NA BRINCADEIRA,
INCLUÍNDO O ADRIANO, DEVEM CONTINUAR A UTILIZAR
A IMAGINAÇÃO, DE OLHOS FECHADOS!
BOM APETITE!!!

4 comentários:

  1. Dizem que uma das coisas que Salazar detestava nos eventos sociais era ter de comer comida sofisticada, quando a sua predilecção diária era pela boa e simples comida tradicional portuguesa. Nisto, o meu voto vai inteirinho para Salazar.

    ResponderEliminar
  2. Já somos três...Por muitas que sejam as diferenças que distinguem os homens uns dos outros, há sempre algo de comum neles...

    ResponderEliminar

  3. Também acho, amigo Zito. E olhe uma coisa. Há dias, a minha mulher, que partilha os mesmos ideais (humanismo, justiça social, etc.) que eu, disse-me: “cada vez mais acho errado colar a Salazar o rótulo de fascista ou de direita. Se se vir bem o trajecto do homem, ele era um homem de esquerda mais genuíno em muita coisa do que os que andam por aí a encher a boca com idealismos de que não dão qualquer exemplo nas suas vidas pessoais”. E então o pensamento fugiu-me para todo um viveiro de "democratas" que de um dia para outro se tornou gente milionária à custa do erário público ou de trampolins oportunísticos construídos enquanto desempenharam cargos públicos. E foi quando me lembrei de um Salazar que mandava vir da sua horta em Santa Comba as couves, as batatas e as cenouras para as suas refeições em Belém. Aquele mesmo que morreu pobre e foi enterrado em campa modesta. Também me lembrei de um Chapalimaud, homem do seu regime, que legou ao povo português aquele património que conhecemos sob a forma do instituto do seu nome. O mesmo Chapallimaud que toda a vida conservou praticamente o mesmo automóvel. Portanto, uns comem caviar e lagosta e dizem-se de esquerda, outros comem couve e batatas e passam à história como perigosos direitistas.
    Eu, nesta matéria, em vez de rótulos ideológicos, procuro entrar na espessura das ideias e dos comportamentos concretos para, aí sim, tentar encontrar os valores e exemplos de vida que de facto consubstanciam os ideias e as aspirações humanas.
    Hoje me convenço de que o homem de Santa Comba pode ter errado na sua visão do mundo, mas que possui activos que um dia poderão vir a ser valorizados se julgados pela história com distanciamento e isenção. Hoje, quando olho para alguns dos badamecos que governam o país, sinto-me mais inseguro e temente do futuro do que alguma vez imaginei.
    Imaginem, do cozido à portuguesa, de comida simples, transportei-me para as iguarias da política.

    ResponderEliminar
  4. Já ouvi dizer que é de pequenos tijolos que se fazem os grandes palácios como as grandes nações da pequenina gente...Creio que as coisas só têm o tamanho da sua dimensão quando nos limitados a olhar o exterior, o aparente...A verdadeira beleza do diamante reside nas profundezas da sua intrincada teia molecular de onde irradia a luz de mil sois!
    Sobre Salazar, ocorre-me a ideia de que, tanto quando conheço, terá sido um dos poucos economistas em todo o mundo que, praticando em vez de teorizar, obteve resultados positivos por meio de politicas realistas de contenção financeira, evitando que o seu país caísse em bancarrota...

    ResponderEliminar