domingo, 5 de julho de 2015

[8275] - TRANSPARENCIA E OBJECTIVIDADE - 03 ...

José Fortes Lopes

TRANSPARÊNCIA SOBRE FACTOS DA INDEPENDÊNCIA DE CABO VERDE E DA 1ª REPÚBLICA 3ª PARTE

C IMPLANTAÇÃO DA 1ª REPÚBLICA NO 5/7/1975: A QUESTÃO DA VIABILIDADE DO ESTADO E A NECESSÁRIA INFRAESTRURAÇÃO. A QUESTÃO DA OPOSIÇÃO.

Nesta TERCEIRA parte elenco um conjunto de questões que se prendem com a implantação da 1ª República dirigida pelo Paigc, os Erros e Omissões Relativos a acontecimentos ocorridos.

1-      COMO É POSSÍVEL QUE AS NEGOCIAÇÕES PARA A INDEPENDÊNCIA NÃO GARANTIRAM PELO MENOS UMA INFRAESTRUTURAÇÃO MÍNIMA PRÉVIA DE CABO VERDE A CARGO DA POTÊNCIA ADMINISTRANTE OU DA COMUNIDADE INTERNACIONAL EVITANDO OS CHOQUES ECONÓMICOS E FINANCEIROS RESULTANTES DO VAZIO QUE O PAIGC ALEGA TER ENCONTRADO
2-      QUAL ERA O VERDADEIRO ESTADO DAS FINANÇAS DE CABO VERDE EM 1975: COMO É POSSÍVEL TER-SE ASSUMIDO AS RÉDEAS DO ESTADO E ESTAREM OS COFRES DE CABO VERDE VAZIOS, COMO AFIRMA O PAIGC.
3-      COMPETIA À POTENCIA COLONIAL ADMINISTRANTE GARANTIR A PASSAGEM DE UMA ADMINISTRAÇÃO MINIMAMENTE VIÁVEL
4-      QUEM PAGAVA AOS FUNCIONÁRIOS CABO-VERDIANOS E COMO FAZER FUNCIONAR A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NO PÓS-INDEPENDÊNCIA COM OS COFRES VAZIOS: QUAIS FORAM AS DELIGÊNCIAS FINANCEIRAS
5-      COMO É POSSÍVEL QUE APÓS A INDEPENDÊNCIA O GOVERNO DE CABO VERDE TENHA ABANDONADO OS CONTRATADOS DE S. TOMÉ QUANDO ESTE ASSUNTO FAZIA PARTE DAS CAMPANHAS DE MOBILIZAÇÃO DO PAIGC, PARTIDO DA INDEPENDÊNCIA, E DAS PROMESSAS FEITAS AO POVO DE CABO VERDE. PORQUE É QUE NÃO HOUVE UM COMPROMISSO TRIPARTIDO PARA O SEU REPATRIAMENTO EM 1975, E/OU ASSEGURAR PENSÕES/REFORMAS, APOIO SOCIAL AOS QUE OPTARAM POR CONTINUAR A RESIDIR EM S.TOMÉ.
6-      QUAL É A VERDADE SOBRE OS ACONTECIMENTOS DE 1977 ACERCA DA ALEGADA INTENTONA EM S VICENTE. QUEM ESTEVE ASSOCIADO E QUEM ORDENOU A PRISÃO E OS ABUSOS DE PODER CONTRA CIDADÃOS APARENTEMENTE INOCENTE E INDEFESOS
7-      A IMPLANTAÇÃO DO REGIME DE PARTIDO ÚNICO: ALTERNATIVA RESPONSABILIDADES E HERANÇA


1 comentário:

  1. Neste dia 5 de Julho coloco ao Paigc uma das questões mais difíceis, talvez a Mãe de Todas, uma pergunta directa ao 'coração' deste Partido, que fez toda a sua campanha política com o tema S. Tomé. Lembrem-se que estes contratados, por quem cairam lágrimas de crocodilo entre 1974 até 4/7/1974, no dia 5/7/1975 caíram no esquecimento. Abandonados naquelas ilhas tropicais, como se diz em crioulo 'nem vent nem mandod'. Isto chama-se Calcanhar de Aquiles. Ou tratava-se de campanha enganosa/manipulação de consciência ou de sobrestimação das forças. Aqui vai a pergunta:
    COMO É POSSÍVEL QUE APÓS A INDEPENDÊNCIA O GOVERNO DE CABO VERDE TENHA ABANDONADO OS CONTRATADOS DE S. TOMÉ QUANDO ESTE ASSUNTO FAZIA PARTE DAS CAMPANHAS DE MOBILIZAÇÃO DO PAIGC, PARTIDO DA INDEPENDÊNCIA, E DAS PROMESSAS FEITAS AO POVO DE CABO VERDE. PORQUE É QUE NÃO HOUVE UM COMPROMISSO TRIPARTIDO PARA O SEU REPATRIAMENTO EM 1975, E/OU ASSEGURAR PENSÕES/REFORMAS, APOIO SOCIAL AOS QUE OPTARAM POR CONTINUAR A RESIDIR EM S.TOMÉ.

    ResponderEliminar