segunda-feira, 13 de julho de 2015

[8298] - AS FAVELAS CRIOULAS...


Saudamos aqui um corajoso post do amigo Carlos Fortes Lopes sobre as imagens dos bairros de lata da periferia do Mindelo, uma ilha em franco empobrecimento desde há 40 anos. a deslizar para o fundo ao longo do Plano Inclinado da Decadência Económica e Social...
Sobre S. Vicente, quase todos os dias temos motivos para a Indignação, enquando ouvimos falar de centenas de milhões despejados sobre Cabo Verde enquanto esta  ilha não ata nem desata, e os mindelenses continuam o jogo sado-masoquista e não se mobilizam para uma mudança no país.
A contradição com o espírito do projecto Casa para Todos é flagrante...
Enquanto crescem e pululam estas situações no silêncio dos media e dos intelectuais, esta denominação soa a provocação para os que vivem nesta situação. E o mais grave é que continuam a festejar ruidosamente!
Como escrevi no artigo sobre o período 1974- Os Revolucionários de Meia-Tigela e o próprio PAIGC fizeram barulho, e com razão, com este tipo de imagens, assim como com o tema de S Tomé. É claro que, em 1974, Cabo Verde estava sedento de uma revolução social e económica que mudasse, por exemplo, a perspectiva miserável do arquipélago, mas não de uma 'revolução arruaceira' que desembocou em NADA...
Os franceses dizem que alguém fez o seu 'Chou Gras' ou seja tiraram todos os dividendos.
Hoje, estas situações existem nas barbas das caras dos ditos revolucionários e têm a tendência para piorar...  Os desgraçados de S. Tomé, ficaram na miséria todo o tempo dos 40 anos da chamada Revolução Cabo-verdiana...
Costuma dizer-se que ''Soberba ta caí na ragoce' ou,  então, as promessas, os ventos as levam ou só valem para quem nelas acredita!!!

José F. Lopes



2 comentários:

  1. Como é triste, mas como é triste, MESMO! No Mindelo, em Lisboa, no Rio, seja onde for. Como é possível olhar seja para o que for sem antes se olhar para esta miséria? Não haverá uns milhares esquecidos num canto dos cofres do Estado para eliminar esta afronta? Não haverá programa de cooperação que limite esta miséria? Como é triste, como é MESMO triste...

    Braça bem triste,
    Djack

    ResponderEliminar
  2. Lamento dizer que não vejo solução. E temo que a coisa venha a piorar. E entretanto os investimentos continuam a privilegiar Santiago.

    ResponderEliminar