quinta-feira, 6 de agosto de 2015

[8353] - NO PAÍS DAS MARAVILHAS...

60 MILHÕES DE CONTOS DEPOIS, NO PAÍS DAS MARAVILHAS....
onde está o badalado potencial e a categoria de desenvolvimento médio deste país? – Onde estão os responsáveis por este país que apenas se esmeram nos discursos e para dizer que estão criando as condições para daqui a não sei quantos anos (2030). E o presente? – o que fazer com estas famílias numa altura em que até a solidariedade, a famigerada morabeza dos cabo-verdianos dilui-se nas promessas de bem-estar e de desenvolvimento da carreira profissional baseada num código de cores político-partidárias em que as pessoas passam por cima de tudo e todos apenas para beijar o traseiro dos detentores do poder político neste país?
É um cenário desolador que aparentemente não é vislumbrado a partir dos gabinetes equipados com ar condicionado e “boas” secretárias, escolhidas a dedo e mediante a prestação de serviços “extra-contratuais” na forma de “beijulações” e “fornicações públicas" de apoio às políticas e disciplinas partidárias. Não é vislumbrado a partir dos carros topo de gama que circulam pelas estradas esburacadas deste país com vidro escuro e placas amarelas que parecem distorcer a visão dos seus ocupantes, não é vislumbrado lá das “Europass”, “Asiass”, Americass” e de vez em quando do Continente Africano onde passam a maior parte do seu tempo vendendo um país de sonho. Um país de sonho? Sim parecido com o país das maravilhas da Alice, com chapeleiros loucos, lebres atrasadas, rainhas más, reis submissos, gatos que se evaporam e poções mágicas que fazem crescer do nada… as suas economias privadas.
Não é vislumbrado a partir dos grandes hotéis e restaurantes onde são promovidos jantaradas e almoçaradas regadas a bom vinho e whisky velho. 
Enquanto isso as pessoas se debatem para alimentarem-se, até já aprendemos a comer nos contentores de lixo, os pais e chefes de família são acusados de abandonar os filhos e de os entregar á prostituição infantil, á droga, ao banditismo, é tudo responsabilidade dos pais e dos cidadãos. E os políticos, o partido do governo, que reclama a autoria da democracia e que se acha o promotor do desenvolvimento deste país só se responsabiliza pelas supostas vitórias de Cabo Verde? – Isto tudo é obra vossa senhores eis o país que construíram, é esta a realidade dos factos.

Aldirlei Ras Sirhan



3 comentários:

  1. O "desenvolvimento médio" é uma patranha que nos quiseram fazer engolir para se poderem sentir confortáveis no assento do poder.

    ResponderEliminar
  2. Pois é caro Alderlei, parece que a nossa sina é ter de suportar toda essa trapalhada, porque ninguém se mexe com medo de perder o emprego ou de não o encontrar. De resto, quem passa muito mal só pensa no próprio dia, para a boca e não se revolta.
    Estamos numa situação terrível, à beira do abismo, e andam a levar-nos com palavras mansas e promessas de mau pagador.
    É óbvio que há sempre alternativas, mas para isso, havia que ouvir quem sabe e conhece por experiência vivida, o que os governantes não fazem.

    ResponderEliminar
  3. O pior é que o povo parece estar cego a este estado de coisas. Não se mobilizam para acabar com isto mas mobilizam-se para dar a estes senhores mandões aquilo que querem,: o pózinho mágico para fazer crescer do nada as suas economias

    Matrixx

    ResponderEliminar