sábado, 7 de novembro de 2015

[8623] - FESTIVAL DE CINEMA DA PRAIA...

Já são conhecidos os filmes que vão participar na 2ª edição do Festival Internacional de Cinema da Praia, Plateau, que acontece entre os dias 19 a 28 de Novembro. A lista dos filmes seleccionados foi divulgada esta sexta-feira pela organização.

Esta edição do Plateau conta com vários nomes sonantes do mundo da sétima arte, quer nacionais e internacionais. Nesta edição, além da exibição dos filmes, a organização preparou outras actividades como workshops, fóruns, masterclass e palestras subordinadas a vários temas ligados ao cinema e audiovisual.  

O público infantil e os estudantes dos diferentes níveis de ensino (básico, secundário e universitário) terão a oportunidade de assistir a mostras de filmes não competitivos, nas respectivas escolas, bairros residenciais e no cinema da Praia.  

Os filmes em competição são exibidos no Cine-Teatro da Praia e no Auditório do Palácio da Cultura Ildo Lobo.

De referir que, nesta edição, a organização do evento registou mais de duas dezenas de inscrições de filmes para competição de realizadores e produtores oriundos de países como: Brasil, Portugal, Moçambique, EUA, Alemanha, Cabo Verde, Áustria, Senegal e Angola.  

Esta é um iniciativa da Câmara Municipal da Praia (CMP), em parceria com o Ministério da Cultura, Associação de Cinema e Audiovisual de Cabo Verde e Txan Film& Associates, e conta, ainda, com o apoio financeiro de empresas públicas e privadas do Município da Praia.

Listas dos filmes seleccionados:

- “Zenaida” de Alexis Tsafas (Cabo Verde)
- “Casalata” de Ângelo Lopes e Lara Plácido (Cabo Verde)
- “Óna” de Coletivo Criativo de Rua (Brasil)
- “O Barbeiro Guitarrista” de André Almeida Rodrigues (Portugal)
- “Tchindas” de Pablo Garcia Pérez de Lara e Marc Serena (Cabo Verde)
- “Joaquim Bralhador” de Márcio Câmara (Brasil)
- “Lar Doce Celular” de Alek Lean (Brasil)
- “Ambíguo” de Zandir Santos (EUA)
- “Do Outro Lado do Atlântico” de Daniele Ellery e Márcio Câmara (Brasil)
- “Chegar a Casa” de Ibrahim Kanara (pseudónimo de Santiago Macias) (Portugal)
- “Fuja dos Meus Olhos” de Felipe Bragança (Alemanha/Brasil)
- “Hoje” de Artemisa Ferreira (Cabo Verde)
- “Impunidades Criminosas” de Sol de Carvalho (Moçambique)
- “Caminhos da paz” de Sol de Carvalho (Moçambique)
- "Em Disputa de Zandir Santos (EUA)
- “O tempo dos Orixás” de Eliciana Nascimento (Brasil)
- “Cosciência” de João Paradela (Cabo Verde)
- “Fim de um Mundo” de Jorge Murteira (Portugal)
- “Amor Louco” de Jessica Hausner (Áustria)
- “Eugénio de Andrade, lembrado pelos amigos” de Fernando Faria Paulino (Portugal)

sábado, 07 novembro 2015 00:14


7 comentários:

  1. Formidável temos a Praia no seu melhor. Vejam lá isso Festival Internacional de Cinema na Praia.(lembro-me do post do Zito no dia 5/11/2015 Dia do Cinema em que ele faz referencia ao Eden Park, a casa onde passaram os grandes filmes). Não deixo de dar parabens à Praia por conseguir esta proeza inimaginável há alguna anos. E a Praia e a ilha de Santiago tem todo o direito em ter protagonismos, esforçando-se eles mesmos para atingir estes objectivos, desde que fossem sem ajuda do Estado e de outras mãosinvisíveis, como não acontece para as outras ilhas. Tudo de parabens, Santiago/Praia está sim de parabéns ao saber mexer os cordelinhos e puxar tudo para ela!!
    Mas o que é que Mindelo sabe fazer hoje para além de festival de ‘pexe frit e grog matchona’!!! God Damn it!!
    Só que ainda estamos de luto com o Eden Park e ouvimos que o Cinema já não tem mais lugar e futuro em CV e temos esta notícia. Algo está falso em CV.
    Mas numa coisa damos razão aos fariseus, aos detractores (e diga-se de passagem muitos mindelenses) que gozam com a situação decadente de S. Vicente e Mindelo. A Praia virou a capital caboverdiana (do cinema e de tudo) graças à incultura, ao abandalhamento, demissão, compromissão dos da nossa linda cidade com interesses ruins. Hoje, Mindelo é capital exclusiva de festivais que têm muito que se lhe diga. O povo ingénuo desta ilha de SV tem o que merece e continua a votar!! Mas sobre esta matéria já dissemos tudo, é só lamentar!
    De qualquer maneira fico perplexo com estas e outras notícias quando vejo o estado em que está SV e o seu defunto cinema. É a sensação da procissão a passar e os cães a ladrar!! Too bad!

    ResponderEliminar
  2. Abstenho-me de comentar. Compreenderão.
    Aliàs, não sei se o Administrador deixaria passar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Val, meu amigo, o tempo da censura já lá vai...
      Braça
      Zito

      Eliminar
    2. Amigo:
      A bem dizer, e para mim, tu não deixarias passar o bílis que eu queria pôr. Não fiz alusão a censura; seria para acalmar o tédio.
      Estamos rodeados de hipócritas, de incompetentes vaidosos que nada têm a fazer na terra que estragaram. Não vejo ninguém com a ousadia do Capitão Ambrósio e não quero ser malcriado. Estou cheio e esforço-me para não estoirar com tanta maldade e hipocrisia.
      Quando alguns anunciaram o que ia suceder, os lacaios encolheram-se e defenderam quem não deviam. Quem se levantou quando Aristides Pereira sentenciou 20 anos de purgatôrio a S. Vicente? Não houve redução de pena; pelo contrario: Jà temos 40 anos vencidos e... nem fume nem mandode !!!
      Só isso, Zito.

      Eliminar
    3. Eu qus dizer - e digo - que NÃO FARIA - NEM FAÇO - O PAPEL DE CENSOR...Conheço os meus companheiros de estrada e sei que nunca me colocaríam em tal situação...
      Quem não se sente, não é filho de boa gente e todos nós temos o direito à indignação!
      Braça...
      Zito

      Eliminar
    4. Tomo boa nota. Temos um dever moral para com essa terra que não foi madrasta quando fomos crianças e/ou adolescentes. Não éramos ricos (materialmente) mas feitos para ali viver sem exigências e, de certo modo, fomos felizes (quanto possivel). Se tudo mudou a culpa não foi nossa, não fomos tidos nem achados. E não vamos aceitar o que não devemos e daremos o que podermos.
      Força, braças e mantenhas.

      Eliminar
  3. Meus Caros

    É simples de explicar:

    Os "intelectuais" e "guerreiros" mindelenses , vivem na paz e no aconchego da "Fazenda" protetora da Praia... Mindelense murchà... diazá! ... O resto é storinha...

    Felicidades

    ResponderEliminar