sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

[8771] - PARÁBOLA CRIOULA...


O FILHO PRÓDIGO
Santo Antão

Un pâ tinha dôs fi. Sê côdê pedi-le pa dâ-le sê parte qu’el podia tên de s’herança, e depôs quél tomâ bençon, el bâ morâ n’un terra onde el gastâ sên juize, e na vice de gente nôve, sê parte que tinha el cubido.
E depôs quel gastâ d’esse manêra tudo quanto el tinha, é qu’el bên oiâ comél tinha fecade pobre, qu’el oiâ obrigado de bâ fallâ q’un home rico pa toma-le pâ sê criado; el dizê-le comâ sin, e el mandâ-le pun fazenda gôrdâ chuco.
El conhêcê sê desgraça, fô quando el entrâ n’esse casta de trabaio.
Anton el cahi n’el mesme e el dizê comâ quên q’ria chorâ: Ah! Quanto creado ‘stâ gorinhassin na casa de nha pâ comê pôn cômarêa, quanto um’ ‘stâ morrê de fome! Já min ne podê saportâ nha desgraça. Un tâ bâ tên nha pâ, um tâ joêiâ na sê pê, e um tâ dezê-le: Ê devêra q’um offendê ôcê chemâ-me sê fi, mâ com’um offendê Nô Senhôr: jâ min ne tâ merecê cê chemâ-me sê fi, mâ um tâ pedi ôcê, pa cê metê-me na sê casa, e sô um tâ dêsejâ p´ês trata-me lâ com’un de sês creado má vil. 
Depôs qu’el pensâ d’esse manera, comâ gente que tinha juize, el pô pê na camin de casa de sê pâ: el ‘stava inda longe quando sê pâ oiâ-le, e conhecê-le, e comâ gente en tâ podê nada larga sês fi, el ‘squecê logo qu’ês asnêra que el tinha fêto, e el bâ tâ corrê de pressa pa braçâ-le, e pa perdoâ-le. Ele verá depôs pa sês creado, e el diz’ês: 
Besôte bâ b’scâ-me quel’rôpa más b’nite de nha fi, besôte ranjâ un dejantâ sem brincadêra p’ra que um q’rê fazê-le un festa, e é pa nôs tudo fecâ contente.
Quel’ armon más veio, que tudo gente sabia com’êra un bom fi, fecâ c’algun raiva quando el voltâ de fóra de ‘stança e que’el ôvi ‘stromento tâ tocâ, e que’el mesmo oiâ aquel’ legria que ‘stava na casa; e en‘tâ tâ podê crêtâ comâ qu’ês gente ‘stava lá contente, sô praquê chegâ un fi que tinha largado casa de sês pâ, e que tinha gastâde tudo quanto el tinha na ‘stravagança e que sél voltâ pa casa, é p’raquê j´’n tinha ôte legar onde bâ cumê.
Mâs logo que sê pâ duv’nha quêzé que tâ tâ passa-le dente de sê coraçon, el ins’na-le que tudo fi êra st’mâdo igual pa un bom pâ, e el dizê-le más:
“ Nha fi, bô armon tinha morrido já’l torna vevê; el’stâva perdido e já n’ôchâ-le; é porvia d’isso que nô tâ contente….”

Crioulo de Cabo Verde
Sociedade de Geografia de Lisboa
1886

(Colabor. A. Mendes)

4 comentários:

  1. É crioulo de S. Antão, quase igual ao de S.Vicente, até porque o deste é "fi" do do outro. A verdade é que qualquer noroestino lê-o com facilidade, tal como o de outra qualquer ilha do mesmo grupo. O mesmo não acontece com o de Santiago, e pior ainda se for com o ALUPEK.

    ResponderEliminar
  2. Amigo Adriano
    Como sempre oportuno e certeiro:

    O livrinho conta a mesma "storia" em vários crioulos, precisamente para ilustrar a diferença:

    S. Tiago

    " Era un bês -- Un pai temba dôs fijo. Gueul'más piquinote pidil'..."

    Fogo

    Era un pá qui tinha dôs fijo. Sê códé piddil' pél dâl parte...."

    Brava

    Un paí temba dôs fijo. Quel' más nôbo pedi pa dál' sê parte de herança que podêba tôcal'...."

    Boa Vista

    Um pai tinha dôs fige. Aquel' más nôbo pedil' sê parte qu'á tocâb'el de sê ardança..."
    S. Nicolau

    Un pai tinha dôs fige. Âchêl' más nôbe pedile pa dá-lhe sê parte que podia tocâ-le na herdança..."


    Queluz / Massamá

    Un tâ pedi Nho Adriano Lima, gande ôme bon dêmás, pâ dá-me parte de sê grogue quel' tem scondide na garrafêra..."

    Boas Festas -- cu sê 'strabagancia

    ResponderEliminar
  3. Artur, estou admiradíssima com as traduções que fez. Como conseguiu, em que documento se baseou? Ou foi de lavra própria, o que não é menos surpreendente, visto que exige estudo e pesquisa?
    Quanto a strabagancia sob a forma de grogue, apareça cá cá em Tomar para umas festivas libações. Neste momento tenho grogue de S. Antão e tenho também medronheira, que não lhe fica atrás, bem pelo contrário. Mas venha antes que as garrafas se esvaziem.

    ResponderEliminar
  4. Meu Caro Amigo

    Tomar é a minha terra Militar... foi de lá que mim má um data (qu'xáda ?) de patricio embarcá p'ra Angola! Na cais costável da nha Rocha de Conde d'Ouvidos Lenço Branco e Grite!
    ....
    Quando lá passar não squêcêrei passa na Rua de Coimbra... ( nº porta é confidencial ) pâ mode grogue ta sêcá!
    ---
    Meu Caro
    O texto e os excertos foram compilados d'um livro de 1886 - O CRÊOLO DE CABO VERDE - da SOCIEDADE GEOGRAFIA DE LISBOA( com gramática) -- farei questão de lho enviar ( cópia)... É claro que, esta oferta é extensiva a quem o solicitar.

    Mantenha
    Amendes

    Min

    Quando lá formos em romaria... não nos esqueceremos da Rua de Coimbra!

    ResponderEliminar