domingo, 10 de janeiro de 2016

[8811] - COMPROMISSO PRÓ-REGIONALIZAÇÃO...


MpD assume formalmente compromisso de regionalizar o país…caso seja governo

http://noticiasdonorte.publ.cv/41553/41553/

O MPD através do seu presidente, Ulisses Correia e Silva, e a Associação Grupo de Reflexão para a Regionalização de Cabo Verde assinaram um compromisso em que, caso este partido vença as eleições legislativas de 2016, levará ao parlamento uma Proposta de Lei para a Regionalização de Cabo Verde.
E assim, formalmente o MpD toma sobre si a responsabilidade de avançar para com o processo de regionalização. O Presidente do partido diz que não é por oportunismo político que toma esta decisão, mas que ela é reflectida e também uma questão de convicção. Convencido de que as ilhas poderão tirar melhor proveito das suas características com a regionalização. E diz que os custos têm sido um das desculpas usadas, mas diz que os benefícios serão maiores.

3 comentários:

  1. Boas perspectivas, portanto. Esperemos, para ver.

    Braça regional,
    Djack

    ResponderEliminar
  2. MpD assume definitivamente em Mindelo A Regionalização. Embora simbólico, pois o mais difícil está para vir, que é derrotar a poderosa máquina conservadora e mesmo 'reaccionária' que domina actualmente Cabo Verde, como já disse, não deixou de ser uma grande vitória política dos regionalistas. O Grupo de Reflexão para a Regionalização de Cabo Verde conseguiu um feito importante e está de parabéns. Não posso deixar de saudar a determinação da Diáspora (constituida em Movimento paraa Regionalização de Cabo Verde) que soube no momento preciso impor, contra ventos e marés, este debate a Cabo Verde, aos quais se associaram mindelenses amantes de liberdade. Mindelo provou, mais uma vez, estar na Vanguarda das Transformações em Cabo Verde, a firme determinação dos seus filhos, apesar das adversidades, em vencer (daí o nome da ilha, S. Vicente).
    Como disse Onésimo Silveira no seu discurso: a Regionalização é a parte que falta para completar a independência e o 13 de Janeiro. de 1990.
    Eu diria mais, os políticos em Cabo Verde há 40 anos que veêm privando Cabo Verde desta reforma já desenhada desdo o tempo colonial por imperativos meramente práticos, só impedida pelo facto da matriz ideológica centralista do partido que assumiu a independência e pelos seus cálculos políticos perversos.
    Os observadores que tirem as suas conclusões deste evento que poderá marcar um ponto de viragem em Cabo Verde. A questão da Regionalização entrou definitivamente na Agenda Política e Partidária
    Mesmo que não tivesse sido o caso da assinatura do compromisso da Regionalização, sempre defendi a necessidade de uma alternância política acrescida de mudanças de polítcas, cruciais para entrar Cabo Verde no século XXI. Os cabo-veredianos não podem ter medo de mudar. Mudaram em 1975 cometendo um autêntico salto no vazio, fizeram-no em 1992 para se desembaraçarem de um regime anacrónico de partido únicio e agora tem de o fazer para preservar a sanidade da democracia.

    ResponderEliminar
  3. José, vamos aguardar para ver o que vai resultar de tudo isto, pois receio que saia uma solução lampedusiana, ou seja, mudar para que na prática tudo fique na mesma.

    ResponderEliminar