quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

[8903] - A VELHA ACÁCIA...


Na lista ogm.pt encontrei esta excelente informação de um 'Anónimo por Obrigação' que achei que devia partilhar com quem não segue esta lista, uma vez que pode ser útil para alguns e decerto muito interessante:

"As acácias até nem são assim tão más!
E elas não proliferam assim tanto se não houver perturbações do ambiente, desmatamentos, pastoreio exagerado e fogos.
As acácias, principalmente as mimosas, fazem parte da fase inicial da
colonização de um solo, sendo plantas ruderais, de modo que desaparecem naturalmente se o ambiente for deixado em paz.
Em certa medida comportam-se, no ambiente natural, como as giestas e os pinheiros!
E se arrancarmos acácias estamos a prolongar o problema!
(durante 20 anos tive uma acácia no jardim e nunca nasceu outra. No ano em que foi cortada surgiram mais de 100 a partir das raízes!) o caminho é deixar essas árvores em paz para serem ocupadas pelas sucessões secundárias! Asseguro o resultado!
Por outro lado as acácias poderiam ser uma planta extremamente importante se a nossa avifauna terrestre não estivesse toda "depenada".
Na verdade, as sementes de acácia são comidas com notável prazer por todos os galiformes. Galinhas numa floresta de acácias não deixam passar uma semente! E estas sementes são muito ricas. (também observei este facto!)
Porém, no gerês já não há perdizes, codornizes, galos monteses e outras aves que eventualmente poderiam aproveitar esse recurso e controlar a dispersão da acácia.
Mas até pode ser que essas acácias ajudem algumas dessas aves a retornar. Uma vez que os cereais de pragana tambémdesapareceram!
Por outro lado a acácia melanoxylon (Austrália) é, sem dúvida, a nossa melhor essência florestal, nomeadamente a que fornece a melhor madeira a um preço razoável. Ou seja, a que optimiza a produção e o valor.
A mimosa além do tanino, de usos múltiplos na agricultura é um excelente alimento para o Homem, que poderia suprir parte das nossas carências em vitaminas e proteínas comendo as suas flores, como fazem os aborígenes e os ... franceses.
E esta era uma forma de reduzir a população de acácias!"

Espero que tenha utilidade! Eu fiquei fascinada com a informação!

-Ana M. Fonseca - 
in Rede TPP

5 comentários:

  1. Já sei onde vou passar a ir rapinar ramos de acácia para os prémios do Praia de Bote. É que em São Vicente já sou conhecido de todos os polícias e já paguei umas 50 multas por ser apanhado no gamanço.

    Braça todo contente,
    Djack

    ResponderEliminar
  2. Acácia, vulgarmente tratada de "espinhêra" à qual pouca gente dava atenção era uma preocupação do maior Edil que conheci em S.Vicente (Júlio Bento Oliveira)que procurava semeà-la por todos os cantos possíveis.
    A Câmara tinha cantoneiros que tratavam delas e, em alguns lugares, guardas para evitar ou apanhar as cabras que iam pastar onde não deviam. Os estragos eram facturados e os caprinos só saiam da Rua do Matadouro quando os proprietàrios pagassem as coimas.
    Sr. Julim sabia que a planta era adequada para a terra sem adubo, sem água, com um sol escaldante.

    ResponderEliminar
  3. Adorei ler este texto sobre as acácias. A leitura foi de grande utilidade.
    Por acaso, comprei anteontem um romance do Germano Almeida (Regresso ao paraíso) em que fala de coisas do seu tempo de menino e moço na Boavista. E uma frondosa acácia é um dos temas.

    ResponderEliminar
  4. .Bem ao caso ser o símbolo da Maçonaria.

    ResponderEliminar
  5. Bem interessante esta notícia sobre as polémicas acácias aqui nas ilhas. As opiniões são as mais díspares. Já ouvi, há alguns anos, um agrónomo afirmar que as acácias intoxicam o solo, onde estão não permitem mais plantas se desenvolverem por perto. Esta é uma informação positiva que cria empatia com a acácia. Por alguma razão, lá sabia e tinha as suas razões, o antigo edil de S. Vicente, citado por Valdemar em plantá-las por todo o canto. Nota importante: Afinal, e antes disto tudo, o Joaquim Jack havia descoberto o enorme valor da...acácia!
    Abraços acacianos

    ResponderEliminar