quinta-feira, 3 de março de 2016

[8974] - REGIONALIZAR? "PAS ENCORE"...


António Monteiro defende a regionalização política, mas não é para já. Nem esta nem a mais moderada regionalização administrativa defendida por Ulisses Correia e Silva. O líder da UCID sustenta que o povo ainda não está preparado para a regionalização, e que esta não deve ser feita na próxima legislatura


No debate realizado ontem na TCV e na RCV, que juntou os líderes do MpD e da UCID para apresentarem as suas propostas ao eleitorado, António Monteiro defendeu que não há condições para se avançar com o processo de regionalização já na próxima legislatura.

O líder da UCID sustenta que “tendo em atenção a noção que a nossa população tem da regionalização, ainda não há condições para que o País possa dar este salto já na próxima legislatura”, e entrincheira a sua posição em um “estudo, feito há bem pouco tempo” onde se “mostrava que 70 por cento da população (%) não tinha a noção do que é a regionalização”. Uma posição bem diferente daquela defendida por Ulisses Correia e Silva [ver aqui].

Regionalização política no futuro

No entanto, Monteiro fez questão de sublinhar que “a UCID, quando foi fundada em 1978, nos seus estatutos, já previa que uma ilha seria uma região política”, adiantando que o seu partido defende “de forma muito clara a regionalização política” para “libertar este potencial das ilhas para que o povo das ilhas de Santo Antão à Brava possa ter a capacidade de fazer desenvolver a economia, as questões sociais, a agricultura, a pesca, a cultura, o desporto, a saúde, de uma forma que acharem por bem”. Só que não é para já.

Regionalização já, é uma aventura

O líder da UCID sustenta, ainda, ser necessário “termos que ter a frieza de espírito para não entrarmos em determinadas aventuras”, e baliza a sua posição no imperativo de ser preciso uma maioria classificada para aprovar a regionalização, declarando não saber se a UCID ou o PAICV estarão disponíveis para isso. “O MpD quer fazer a regionalização na próxima legislatura?”, interrogou António Monteiro, acrescentando: “terá maioria classificada para o poder fazer?”. “Estará a UCID disponível para fazer isso? Estará o outro partido disponível para fazer isso? Não sei”, sublinhou o líder democrata-cristão.

Redação Cabo Verde Direto.


3 comentários:

  1. "Eh bien. C'est maintenant ou jamais"
    Não compreendo o que levou o Monteiro a cometer mais este deslize.
    Ê a segunda vez que destoa compeletamente da directiva partidària.
    Uma làstima !!!

    ResponderEliminar
  2. O Monteiro deixou a impressão de ter sérias reservas em relação à regionalização. Mas não colhe dizer que não se pode fazer um reforma sem as populações estarem bem informadas do processo. Se fosse preciso esperar por um conveniente grau de esclarecimento das populações, nenhuma reforma se faria em CV como em parte alguma. Mas em meu entender, a regionalização deve ser consequência de uma profunda reforma do estado, não um acto isolado.

    ResponderEliminar
  3. Se fose assim nunca ninguém seria independente no Mundo e de resto o Mundo seria um atrazo de vida, pois as populações amorfas não participam em geral na gestação dos processos de transformação e são levadas pelas elites. De resto quem participou no processo de Independência foi a elite de S Vicente que arrastou o resto do país. Aqui o que queremos não é uma nova aventura mas coisas bem estudadas e debatidas pelos partidos e sociedade civil e depois feitas com cuidado

    ResponderEliminar