quarta-feira, 30 de março de 2016

[9071] - OS MANOS...


Os manos Azevedo, Zito e Tuta, no "canalim" de João Bento, nas traseiras da sua casa à Rua do Senador  Vera Cruz... O portão que se vê à esquerda dava, precisamente, acesso ao pátio interior da casa... Foi neste "estádio" que se realizaram memoráveis sessões de "golo-a-golo" com o amigo Jorge Humberto, que morava ao lado da nossa casa... Corria o ano de 1943!

9 comentários:

  1. Belos mocinhos na flor da idade. Esta rua já não parece ter nada a ver com a antiga.

    ResponderEliminar
  2. Grande foto, grande foto!!! Que classe, que arranjo e cuidado... de mãe, obviamente.
    Foto para não perder, até para emoldurar. Uma maravilha.

    Braça com gosto de ver,
    Djack

    ResponderEliminar
  3. FOI NESTE CANALINHO QUE SOFRI IMENSO COM AS "TOPADAS DO DEDONA NA PEDRA DE CALÇADA"!
    NAQUELA ALTURA CHOREI DE DOR, MAS HOJE CHORO DE SAUDADES E ALEGRIA DA VIDA DAQUELES LINDOS ANOS...
    OBRIGADO BROTAS
    TUTA AZEVEDO

    ResponderEliminar
  4. Cheios de estilo e de garbo! Sim senhor! Eram bonitinhos os manos! Qualquer deles.
    Ai! os sítios e os lugares da nossa infância! Hoje na lembrança, trazem sempre a saudade...

    ResponderEliminar
  5. Uma observação ao comentário de Adriano Miranda Lima: o canal que, em tempos, também foi conhecido por Canal de Mateus Tchaina, ainda hoje conserva alguns dos traços patentes na foto, de 1943, dos irmãos Azevedo. Nos anos 70 ficava ali a casa de pasto de Tina de Mateus Tchaina, que eu gostava de frequentar e onde a Tina confeccionava altos petiscos. A propósito do canalinho e da tasca da Tina, transcrevo o que diz o etnólogo Jean-Yves Loude em "Cabo Verde - Notas Atlânticas": "Vinho verde e crustáceos no restaurante do Chinês. Sozinhos, nunca teríamos encontrado a morada. Entramos num beco sem saída; nele brilha uma luz solitária. O arroz de búzios é uma especialidade da casa. A cozinheira substitui as garrafas vazias, leva os cumprimentos. A história do estabelecimento começa com um marinheiro chinês que ficou no hospital, deixado pelo seu barco. Curou-se e enamorou-se de uma rapariga no início do século. A foto do seu filho decora a parede, retrato a preto e branco de um mestiço de beleza criada por três continentes. Foi este último que abriu o estanco para a sua mulher; recrutava no porto todos os asiáticos para activar os fornos."
    Um abraço.
    John

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na parte que me cabe, agradeço ao John Leão esta importante informação sobre a rua, que por acaso não estou a conseguir localizar, embora tenha estado em S. Vicente no ano passado. Claro que não é o canal que era conhecido como "Canal Gelode", pois esse era perpendicular à rua do Telégrafo.

      Eliminar
  6. Tenho quase de dar o dito por não dito, pois fui hoje, por volta das 13 horas, ao tal canal e fiquei surpreendido com algumas alterações que, provavelmente, até nem serão tão recentes quanto isto. Deixei de lá ir desde que encerrou a casa de pasto da Tina de Mateus Tchaina e o tempo passou demasiado depressa que nem me dei conta de que o encerramento poderá ter ocorrido há cerca de 8 anos e, entretanto, não voltei àquele beco. Está um pouco desfigurado como vereis numas fotos que há pouco enviei ao Zito. Mas não tenho dúvidas de que era esse o Canal de João Bento. Confirmei-o junto de uma moradora.

    ResponderEliminar
  7. Tenho quase de dar o dito por não dito, pois fui hoje, por volta das 13 horas, ao tal canal e fiquei surpreendido com algumas alterações que, provavelmente, até nem serão tão recentes quanto isto. Deixei de lá ir desde que encerrou a casa de pasto da Tina de Mateus Tchaina e o tempo passou demasiado depressa que nem me dei conta de que o encerramento poderá ter ocorrido há cerca de 8 anos e, entretanto, não voltei àquele beco. Está um pouco desfigurado como vereis numas fotos que há pouco enviei ao Zito. Mas não tenho dúvidas de que era esse o Canal de João Bento. Confirmei-o junto de uma moradora.

    ResponderEliminar