sábado, 9 de abril de 2016

[9106] - QUE É FEITO DA MIRA TÉCNICA...

Tantos anos de exposição à mira técnica não serviram para ensinar a maioria dos telespectadores a afinar a imagem, como era a intenção, mas foram suficientes para criar a memória de um mundo mais lento, com actividades limitadas entre a «abertura da emissão» e o «fecho da emissão». A mira técnica existia entre uma coisa e outra, ou fazia a sua aparição súbita em caso de avaria, precedendo o anúncio que também se tornou célebre: «Pedimos desculpa por esta interrupção. O programa segue dentro de momentos». Que sossego. Os dias eram largos e as noites primordiais. De certo modo, em versão espartana, a mira técnica foi a antecessora do canal MyZen TV, com a sua câmara imóvel durante horas seguidas a filmar a rebentação das ondas numa qualquer praia tropical. Onde hoje há compactos de televendas a impingir-nos espanadores anti-estáticos e faixas queima-gordura para o abdómen, não havia nada; a não ser um padrão geométrico indecifrável e a expectativa de que algo de bom estava para acontecer. Por exemplo: desenhos animados, tardes de cinema, variedades, hóquei em patins e, maravilha das maravilhas, telejornais que duravam apenas meia hora. O pesadelo da programação ininterrupta, da televisão acesa de manhã à noite, dos três aparelhos ligados em cada parede do restaurante de bairro, estava longe de ser realidade. E embora os verdadeiros motivos da mira técnica fossem insondáveis aos olhos do vulgo, a memória dessa presença estática parece-nos, hoje, tranquilizante. Tal como a expectativa de que algo de bom estava para acontecer.

(Texto publicado na edição de 16 de Outubro de 2011,  do Notícias Magazine, revista de domingo do DN e JN, na secção "Nostalgia".)
PUBLICADA POR CARLA MAIA DE ALMEIDA 

2 comentários:

  1. Belo texto. Naquele tempo tínhamos mais tempo para viver, isso é que é verdade. Agora somos escravos das mais diversificadas tecnologias. E nem por isso nos tornámos melhores nem a nível individual nem social.

    ResponderEliminar
  2. Já me havia esquecido da mira técnica e dos intervalos calmos que permitia. É verdade, o excesso de emissões e de possibilidades infindas no uso e no abuso da tecnologia, tirou tempo à família e aos amigos de estarem com a...família e com...os amigos. (relevem a redundância).
    Que dizer? sinais dos tempos?
    Abraços

    ResponderEliminar