quarta-feira, 27 de abril de 2016

[9163] - MALÁRIA, OUTRA VEZ...

Presidente da República quer erradicação da Malária até 2030
 O Presidente da República (PR), Jorge Carlos Fonseca ambiciona a criação de condições para que Cabo Verde, África e o Mundo estejam livres do Paludismo antes de 2030....

25-04-2016, Fonte: "Expresso das ilhas"

Confesso que este texto me causou alguma perplexidade pois eu ainda me recordo de ter andado por Cabo Verde uma Missão de Erradicação do Paludismo nos anos 50 e 60 do século passado, chefiada pelo Dr. Meira do Instituto Português de Medicina Tropical.
Tanto quanto rezam as crónicas, a malária foi, oficialmente, considerada erradicada da Ilha do Sal, em 1950; da ilha de S. Vicente, em 1954; das ilhas da Boavista e do Maio, em 1962; da ilha do Fogo, em 1965 e, da ilha de Santiago, em 1968... Não encontrámos referências às ilhas de S.Antão, S. Nicolau e Brava o que, eventualmente, significará que aí não não se verificaria a prevalência da doença.
Ocorre, pois, perguntar o que terá acontecido desde então para ser necessário, de novo, erradicar a Malária de Cabo Verde?

2 comentários:

  1. É verdade! Contei isso mesmo aos meus filhos, que eu miúda ainda, a malária fora erradicada de Cabo Verde. No tempo do Dr. Meira. Creio que para além deste clínico, trabalharam no combate ao paludismo, os conhecidos e já falecidos médicos, Pinheiro e Santa Rita Vieira. Pelo que julgo saber, o paludismo, ou o mosquito que o provoca terão voltado às ilhas, depois de 1975 e, tudo leva a crer que foi causado pelos contactos e as ligações mais do que frequentes que passámos a ter desde aí com o Continente africano.

    ResponderEliminar
  2. Ou será que o laxismo estatal se esqueceu de exercer um pouco de profilaxia? Tantos anos de esforços com os resultados que se conhecem não podem ser desperdiçados em menos de 10 anos!

    ResponderEliminar