quinta-feira, 12 de maio de 2016

[9195] - CENTRO CULTURAL EM S.ANTÃO...

10 Maio 2016
O Centro Cultural Luxemburgo-Cabo Verde em Chã de Ponta do Sol, Santo Antão, vai funcionar na casa onde viveu o Administrador Colonial João Serra. O edifício hoje em ruínas vai ser recuperado e terá uma mediateca, sala de exposições, alojamento para artistas dos dois países, um núcleo museológico, um auditório coberto, espaço de produção artística e um jardim botânico com plantas endémicas da ilha das montanhas. Este projecto será financiado pelo Governo Luxemburguês. 

O Luxemburgo, através do seu ministério da cultura, interessou-se por fazer a recuperação da “Casa Serra”, tendo em conta que se trata de um património importante devido à sua história em Santo Antão e Cabo Verde, anuncia o vereador da Cultura da Câmara Municipal da Ribeira Grande, Francisco Dias.

“No ano passado, o director da Cultura do Luxemburgo veio a Santo Antão para avaliar, em parceria com a Câmara Municipal da Ribeira Grande, a possibilidade de fazer uma intervenção para recuperar a “Casa Serra”, que do ponto de vista simbólico representava o poder instituído pelo Governo Colonial português”, assevera Dias.

Este responsável adianta que o projecto é inédito e pioneiro em Cabo Verde. Diz que surge da necessidade premente de, cada vez mais, proporcionar aos dois países um espaço para memórias dos longos e históricos anos de cooperação entre o Grão-Ducado de Luxemburgo e Cabo Verde.

“O centro será um espaço de diálogo intercultural e de inclusão social entre as diversas gerações de cabo-verdianos e luxemburgueses para promover e divulgar a cultura dos dois países, bem como a promoção do turismo cultural”, avança ainda o autarca. A infraestrutura albergará uma mediateca, uma sala de exposições, alojamento para artistas dos dois países, um núcleo museológico, um auditório coberto, espaço de produção artística e um jardim botânico com plantas endémicas da ilha de Santo Antão.

Sem precisar datas para o arranque das obras no edifício, Francisco Dias afiança que neste momento uma equipa de arquitectos está a trabalhar no projecto, que será apresentado ao Ministério da Cultura de Luxemburgo.

De referir que a cooperação descentralizada entre os Governos de Cabo Verde e Luxemburgo teve início em 1993 e desde então beneficiou várias áreas – educação, saúde, turismo, entre outros sectores. (in A Semana)

Lucilene Salomão

3 comentários:

  1. A violência verbal que se vê (numa parte) da comunicação social é uma praga que não nos honra. Discordo em absoluto que o Dr. Serra seja tratado de Administrador colonial. Funcionàio como muitos outros serviu a Administração. A menos que nos apresentem provas concludentes para que mudo de ideia.

    ResponderEliminar
  2. Volto para LOUVAR a pessoa de Sua Excelência o Grão Duque do Luxemburgo que achou por bem ajudar a ilha das montanhas, contribuindo para o desenvolvimento de projectos diversos.
    Não esqueçamos que, para que os subsidios fossem (sejam) devidamente empregues, Sua Alteza fez uma visita à Ribeira Grande antes da Capital onde foi recebido pelas Instâncias Superiores.
    Bem Haja Alteza! Obrigado Luxemburgo!

    ResponderEliminar
  3. Ora aí está uma coisa bem pensada. É para se louvar! E quanto ao Dr. Serra trata-se de um ilustre filho de Santo Antão, assim deve ser tratado.

    ResponderEliminar