quarta-feira, 29 de junho de 2016

[9390] - EM DEFESA DO PATRIMÓNIO...

Cidadãos mindelenses “preocupados com o incumprimento por parte da Câmara Municipal de São Vicente” fazem circular um abaixo-assinado com o objectivo de pedirem a intervenção do Ministério Público, do Ministro da Cultura, do Instituto do Património Cultural, do Provedor da Justiça, para repor a legalidade em autorizações da edilidade.

“A CMSV autorizou construções inapropriadas na Rua Pedonal que liga a Praça Nova à Avenida Marginal, condicionando indevidamente a circulação de pessoas na mesma Pedonal”.

Nas justificativas para o abaixo-assinado diz-se que a CMSV vendeu ao Mindel-Hotel o terreno encaixado nas traseiras do Mindel-Hotel. “Com essa decisão, a Câmara Municipal atropelou a lei, ao passar por cima do órgão competente para aprovar alterações aos planos de pormenor. Os proprietários do Mindelo-Hotel, de mãos dadas com a Câmara Municipal, resolveram cometer um dos piores crimes urbanísticos de que se tem memória no Centro Histórico do Mindelo – Património Nacional”.

A acusação é que a CMSV tem beneficiado o Mindel-Hotel e este tem prosseguido as suas obras de expansão na parte traseira do hotel, mudando a configuração do espaço. “O Centro Histórico do Mindelo é classificado como património histórico e cultural nacional, cujo mapa de localização se encontra em anexo à presente Resolução e, dela faz parte integrante”.

Esse grupo de cidadãos quer ver resposta a legalidade para que se coloquem limites nas obras e quer pedir às autoridades para acompanharem o processo sem prejuízo para a ilha e exigir à edilidade esclarecimentos em relação ao processo. Ao Ministério da Cultura que “crie as condições para a salvaguarda do Centro Histórico do Mindelo como Património Nacional que é cumprindo a lei”.

Do grupo de cidadãos destaca-se, Leão Lopes, João Branco, Luiz Silva, Daniel Martins de Brito, Eng.º Carlos Araújo, Manuel Figueira, António Jorge Delgado, Evandro Matos, Alexandre Novais, Antónia Mosso e ainda o Padre António Fidalgo de Barros.

(Colaboração de
Valdemar Pereira)

6 comentários:

  1. Finalmente !!!
    Não vejo no grupo nenhum cara de pau. So gente que sabe o que pede e que não vai servir disto para fins pessoais. Basta de vandalismo patrimonial e do escândalo ambiental.
    Sou um dos que assinam a petição com todo o meu entusiasmo.
    Força, Rapazes !!!

    ResponderEliminar
  2. É agora uma oportunidade de distinguir a diferença entre estes dois Governos destes dois partidos PAICV, e MPD, para dizer o seguinte.
    Num passado recente fizeram "ORELHAS MOCAS" em relação a uma reivindicação semelhante feita com a demolição do prédio do Dr Adriano, e agora.
    Será que terão o mesmo comportamento.???
    Aguardamos.

    ResponderEliminar
  3. Não vai ser so impedir mamarrachos mas não proteger (arranjar) o existente é contribuir para o desapareciemento do Patrimônio. Isso tem de ser pôsto no "cahier des charges" para ser discutido sèriamente.

    ResponderEliminar
  4. Coneheço vários dos subscritores, gente de grande prestígio que merece a minha consideração. Esperemos que as NOVAS autoridades tenham a classe que delas se espera e que mostrem que sabem mandar, na hora certa, perante o assunto certo.

    Braça com esperança de que ainda haja mindelenses MINDELENSES,
    Djack

    ResponderEliminar
  5. Esperemos que este grupoconstitua um núcleo para a constituição de um movimento de cidadania em prol do Património do Mindelo que tem sido uma autêntica bola nos pés das autoridades locais e centrais. Tenho muita pena mas se não se tomarem medidas específicas de Classificação na CMSV, já que o Centro da Cidade é já classificado Património Nacional, esta cidade como conhecemos está votada à desaparecer e ser substituida por ooutra, incaracterística, que de certeza não será Mindelo

    ResponderEliminar
  6. É pena só agora surgir este movimento de cidadania. Mais tempo tivessem intervindo, estou crente de que os malefícios não teriam chegado tão longe. Mas ainda bem que se fazem ouvir agora. Estou incondicionalmente com eles. É hora de suster a descaracterização da nossa cidade.

    ResponderEliminar