sexta-feira, 15 de julho de 2016

[9451] - MEMÓRIAS DO TEMPO QUE PASSA...


REVISITANDO FONTE CÓNEGO...


                Presa na memória, a bola de trapos
                    vai e vem, com simulacros de pêndulo,
                    em movimento errático e mofino, 
                    na esteira das balizas que se perderam
                    com a geometria progressiva das ruas. 
                    Ressalta na parede da velha esquina,
                    de cal nostalgicamente poluída,
                    onde ficaram para sempre estampadas
                    as travessuras dos meninos de outrora.
                    Mas já sem o afago da antiga poeira chã
                    a bola desvia-se e, sem cerimónia,
                    saltita para as casas da vizinhança,
                    acordando recordações adormecidas
                    em molduras de sombra  e silêncio.
                    Surpreende olhos atrás das persianas,
                    pasmados com este dia enigmático
                    orlado de saudade e mistério.
                    Não sabem que uma fantasia de menino
                    trouxera de volta o sonho germinal.
                    Surge então o sol inclemente do meio-dia,
                    a hora dilecta do temido minguarda,
                    e calaram-se  as vendedeiras de rua
                    e os cães irrequietos presos nos quintais.
                    E a bola de trapos seguiu o seu destino,
                    costurada com farrapos de ilusão.
                 
                                Adriano Miranda Lima                

2 comentários:

  1. Até parece que as casinhas foram pintadas para a poesia adriana.
    O poema evocativo tem o estilo característico, inconfundível, do "master" e eu não sei comentà-lo. Limito-me a ler e a reler pois, além da sua beleza intrínseca, lembra-me a minha primeira escola primária que se encontrava precisamente à frente.
    Tinha eu sete anos e o mestre era o sr. Eurico Teixeira, tão rigoroso como sádico, que não se coibia em maltratar um aluno gago o mais pequeno da turma mas não o pior.
    Triste lembrança que registei para sempre.
    Lembro-me igualmente de pessoas conhecidas que ali moravam: - Manuel Santiago (escrivão do Tribunal), Manuel Silva (tenente e enfermeiro) entre outros. Gente de bem numa terra de boa gente. Era dias-hà, no tempo em que os filhos eram todos "melhores mas não o diziam

    ResponderEliminar
  2. Um grande poema em honra do bairro onde naceu e viveu o amigo Adriano. Mais um poema para o futuro livro

    ResponderEliminar