terça-feira, 19 de julho de 2016

[9471] - RESPIRAÇÃO ASSISTIDA...


MEUS CAROS AMIGOS

Hoje, fui a uma consulta de Pneumologia e trouxe de lá mais uma complicação coisa que. francamente, eu dispensaria de boa vontade... Mas, o meu Enfizema Pulmonar, também chamado de DPOC, obriga à ajuda de doses extra de oxigénio à minha respiração pelo que, nos tempos mais próximos ou, sabe-se lá, até ao fim da estrada, vou ter a companhia desta maquineta por períodos de 16 horas diárias ou seja, vou ver a minha liberdade plena reduzida a escassas 8 horas por dia...
Como devem compreender estou perante uma situação nova, que vai obrigar à revisão da maioria das rotinas que, como todo o mundo, coleccionei ao longo de 82 anos de vida, vivida aqui, ali e acolá!
E, certamente que a minha presença aqui, vai registar algumas soluções de continuidade, pois não vai ser muito fácil recuperar psicologicamente do stress que me cerceia os movimentos e os pensamentos quando se começa a congeminar mais nas consequências do que nas causas das coisas... 
Estou, no entanto, certo que todos compreenderão os inevitáveis hiatos e a todos prometo que tudo farei para ultrapassar esta fase menos boa pois se há coisas que ainda me prendem à vida com amarras bem fortes, esta nossa relação com tantos visionadores e alguns - poucos - comentadores, é uma das mais significantes...
Um abraço fraterno, para todos!
Queluz, 19 de Julho de 2016
Zito Azevedo

7 comentários:

  1. Zito, como lhe disse em mail pessoal, vai certamente ultrapassar tudo com calma e paciência, se bem que essa coisa de "liberdade condicionada" é algo que logo de início nos deixa sempre expectantes sobre como conciliar as rotinas com a nova realidade.
    Mas, homem de muitas lutas e refregas, de certeza que vai levar a melhor e não tardará a concluir que o transtorno é mais aparente que real.
    De resto, conforme a nossa idade vai avançando, todos nós, duma forma ou doutra, nos vamos adaptando a novas situações que não têm nada a ver com a largueza permissiva de outros tempos. Olhe, apreciava até há alguns anos atrás dar umas corridinhas, e actualmente tenho de me contentar com umas caminhadas por causa do joelho esquerdo, que já não está para as antigas facilidades.
    O Dr. Teixeira de Sousa disse-me um dia que, com a idade mais avançada, a escrita era para ele uma espécie de penso sobre as mazelas.
    Percebo que para si é o mesmo, pois para mim é seguramente, cada um com o seu penso. Por isso, estou convencido de que este blogue vai manter a sua profícua actividade, pois "penso" deste quilate nem todos se podem gabar de ter.

    ResponderEliminar
  2. Praia de Bote é apanhado de surpresa pelos factos descritos e deseja ao amigo e companheiro de escritas neste éter internético a recuperação possível - pois a possível é a que mais é necessária, na certeza de que a nossa vida é de adaptação constante. Já que assim é, adaptemo-nos. E cara alegre. Porque cara alegre mata muitas sombras...

    Um grande abraço e cá continuaremos todos.
    Djack

    ResponderEliminar
  3. Não sei o que saiu na mensagem pessoal mas deixo aqui claro que estou contigo. Passaste por momentos pouco agradàveis e presentemente dàs-nos o prazer da tua companhia hodierna. Estou certo que vais poder "driblar" mais esta "calapada" que reduz o teu tempo de lazer mas não vai impedir-nos da tua animação.
    Força na canela, Caro Zito !!!

    ResponderEliminar
  4. Amigo Zito estou desolado por esta situação de saúde (Enfizema Pulmonar) que te constrange obrigando à respiração assistida, obviamente dificultando as rotinas quotidianas.
    No que me concerne estarei sempre disposto a colaborar com Arrozcatum em tudo o que for possível para manter o espírito deste blogue com um palco de convívio entre amigos que também Partilham praia de Bote.
    O que mais desejo é que depressa te recomponhas e tudo volte ao de costume.
    melhoras e um forte abraço José

    ResponderEliminar
  5. Caro amigo

    Como deixei escrito no email, estamos todos torcendo (como dizem os Brasileiros) pela melhoria da sua saúde.
    Doença é doença, e ninguém a aceita de ânimo leve. Mas após o impacto da surpresa que dispensava, tente fazer o que eu disse - não pensar, e não trabalhar - descansar bastante, e seguir à risca os tratamentos prescritos. E a saúde tem que voltar, eu acredito que voltará.

    (o marido duma amiga minha está há anos com assistência de oxigénio, toda a noite e grande parte do dia. E dizemos para nós - é agradável? pois, não será... mas, viva a galinha com sua peninha, dizia o povo e eu concordo.
    Coragem, amanhã é outro dia.
    Abraço forte.
    Dilita

    ResponderEliminar
  6. A doença - seja ela qual for - é uma dor solitária mas, por outro lado, quem tem amigos, alguns dos quais, imagine-se, nem sequer conhece pessoalmente, não pode considerar-se, propriamente, solitário...
    Se calhar, solidário é melhor e não deixa de ter espantoso como uma só letra separa duas situações que bem podem considerar-se antagónicas...Vocês, minhas/meus amigos são, agora mais do que nunca um bálsamo inestimável que muito me ajudará a trepar esta ladeira em busca de algum conforto físico e anímico porque cura, infelizmente, não há! BEM HAJAM!
    Braça pertode,
    Zito

    ResponderEliminar