segunda-feira, 25 de julho de 2016

[9491] - GENTE PEQUENINA...

SITUAÇÕES ESPECIAIS

Henrique Salles da Fonseca 
Blogue “A Bem da Nação”, em 21 de Julho 2016

Tenho uma cunhada doutorada em química que é investigadora numa Universidade no Canadá e anda com frequência a fazer conferências em Congressos da especialidade um pouco por toda a parte. Tão depressa está em Tóquio como em qualquer parte dos EUA, na Europa, etc.

Aquando da final do Europeu de Futebol, estava por acaso em Paris num desses Congressos onde teve que botar faladura sendo que a organização do certame decidiu fazer um intervalo nos trabalhos para se assistir à final França – Portugal. Foi ela a última oradora antes do intervalo e, para além de muito louvada pelo conteúdo da sua palestra, concitou também a simpatia geral por ser a única congressista da nacionalidade do «pequeno» País que iria nesse dia disputar a final doCampeonato Europeu de Futebol. Louvores importantes; simpatia porfaits divers.

Havendo várias televisões espalhadas pelo recinto do Congresso para que os participantes se pudessem agrupar por centros de simpatia, com a minha cunhada apenas se solidarizaram os poucos italianos presentes; todos os demais congressistas aderiram aos favoritos franceses.

Mas quando Portugal se sagrou Campeão Europeu de Futebol, metade dos congressistas franceses deixou de falar à minha cunhada.

Se isto se passou com uma elite científica, dá para perguntar o que se passa de tão estranho na Nação francesa que inverte valores entre a importância duma brincadeira futebolística e a duma conferência científica de ponta a nível mundial.

Oxalá que não se passe nada de muito grave mas é claramente uma situação especial.

(Pesquisa de Adriano M. Lima)


3 comentários:

  1. Se fosse outro pais que Portugal não seria assim. O treinador, a quem perguntaram ironicamente sobre o resultado, respondeu em tom enervado "Cessam de dizer que são fraquinhos. Se ganharam é que foram melhores".
    Acho que perderam porque foram convencidos de que era "canja". Depois de eliminarem os alemães (com quem tinhem perdido no Stade de France) foram jogar com uma equipa que nunca os ganhara em 10 jogos.
    Vê-se que não conhecem a frase de Damatinha: - "Jogue ê fema".

    ResponderEliminar
  2. Infelizmente o grau de formação académica não é proporcional à sensibilidade e à educação.:-) Paula Simão

    ResponderEliminar
  3. Ou então se tem de concluir que é uma treta enaltecer a racionalidade humana, pois que facilmente é espezinhada (melhor dizendo, chutada) pela emocionalidade.

    ResponderEliminar