quarta-feira, 2 de novembro de 2016

[9872] - O PORTUGUÊS NA ONU?!

A CPLP aprovou a proposta para que o português seja Língua Oficial da ONU, anunciou o Chefe de Estado de Portugal, em conferencia de imprensa conjunta com o Primeiro Ministro português, no Brasil...
...oooOooo...

Enquanto que a CPLP aprova uma proposta para que o português seja língua oficial na ONU, em Cabo Verde trabalha-se na 'desaprendizagem' desta língua que, para além de tudo, é uma ferramenta de comunicação com o Mundo, já que Cabo Verde faz parte da CPLP e da ONU. É preciso começar a ensinar convenientemente a língua portuguesa encarando-a na óptica de uma ferramenta aprendizagem do Mundo e de comunicação com o exterior. É tempo de ter a coragem de acabar com esta demagogia do ALUPEK. - José Fortes Lopes.

5 comentários:

  1. É verdade José! Tenho-me perguntado, nos últimos anos, quando é que haverá governantes cabo-verdianos que irão cuidar efectivamente da situação da Língua portuguesa nestas ilhas? ... Quando?...
    Eu sei, que o actual Presidente da República é alguém que se preocupa e está interessado na boa preservação e na expansão oral e escrita da nossa Língua, entre nós segunda. Muito pode influenciar com a sua alta magistradura. Mas acontece que nós sabemos também dos poderes do Governo e do Pr. da República nestas e noutras matérias. Neste momento de verdadeira crise, e de quase desvitalização da Língua portuguesa em Cabo Verde, não seria produtivo uma política concertada entre o sector da Educação, o da Cultura e o da Administração Pública? E por favor, sem complexos de qualquer espécie! Assumidamente e frontalmente, porque a falta do português empobrece a educação, a cultura e as ciências na instrução e educação do cabo-verdiano.

    Abraços

    ResponderEliminar
  2. Esse linguajar que dizem ser "maternu" não passa de um "hold up" que querem impor-nos e qu devemos defener com as nossas armas. Estamos perante mais uma mentira como se essa (mentira) durasse. Prejudica e bastante mas "se com a mentira se consegue o almoço, não se consegue o jantar". Precisam depressa apender a arte de ouvir, senão ao estatelarem-se levam os menos privilegiados no terramnto.
    "Nenhum homem é bom o bastante para governar os outros sem seu consentimento" (Abraham Lincoln)

    ResponderEliminar
  3. O entendimento dos tipos da "Praia" deve ser o contrário. Se calhar pensarão: pois, então, aproveitemos a boleia da língua portuguesa para propormos o badio/alupec como língua oficial na ONU.
    Anedota à parte, já estou farto da miopia mental da nossa gente.

    ResponderEliminar
  4. Cara Ondina e caros Adriano e Val Nós precisamos da língua portuguesa como pão para a boca, mas percepção que temos nesta matéria é de se estar em contraciclo com a realidade. Quem dominar esta língua tem léguas de avanço em relação aos outros.
    A população interiorizou que esta língua está associada ao colonialismo e fica com um a priori negativo, quando o que se está a fazer é cortar-lhes as pernas
    Não podemos deixar os aprendizes-feiticieros (muitos deles dominam a língua)criar uma situação irreversível, se já não é o caso. O ALUPEK e o crioulo de santiago não são solução para o não domínio da língua portuguesa.

    ResponderEliminar
  5. Sou favorável e experimento diariamente esta dificuldade. Recebo toda documentação do trabalho em francês, inglês, árabe e espanhol e nada em português. Boa parte da de países de língua portuguesa integram o pool dos atendidos.

    ResponderEliminar