quinta-feira, 10 de novembro de 2016

[9892] - O EXEMPLO QUE VEM DE LONGE...

Fortaleza portuguesa em Batecalou - Sri-Lanka

Temos aqui um texto em crioulo de Ceilão, muito parecido com o de Cabo Verde numa escrita respeitando a raiz etimológica das palavras como os Claridosos faziam há 60 anos. Uma prova que o ALUPEK é um gadget dispensável que só serve para confundir os meninos. Agradecemos o José Gabriel Mariano por esta peça de investigação que vem trazer mais luz ao debate.
 - José Fortes Lopes.

 ...oooOooo...



4 comentários:

  1. Texto muito elucidativo da influência incontornável da Língua portuguesa na formação de diversos crioulos, de que o do Ceilão bem ilustra. Muito próximo do nosso. lembra também o de Macau. O exto/fábula, apesar do tempo decorrido, lê-se bem, sobretudo nós, leitores falantes do português e do crioulo. Não querendo entrar em pormenores, não aqui chamados,
    o texto parece vir ao encontro daqueles que defendem uma génese comum na formação dos crioulos. E este derivado da mesma matriz, que a nossa ( Língua portuguesa)a querer comprová-la...

    ResponderEliminar
  2. Por isso é que não se pode hesitar: quando a mosca começa a zoar devemos sair a bombinha de Flytox. Apanhado a tempo, é remédio santo até para o zumbido do mosquito AEDES.

    ResponderEliminar
  3. Gostei de ler os comentários da Ondina e do Valdemar, que merecem a minha total aprovação.

    ResponderEliminar