terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

[10013] - PESSOA



Trago dentro do meu coração,
Como num cofre que se não pode fechar de cheio,
Todos os lugares onde estive,
Todos os portos a que cheguei,
Todas as paisagens que vi através de janelas ou vigias,
Ou de tombadilhos, sonhando,
E tudo isso, que é tanto, é pouco para o que quero…

Fernando Pessoa


(Colaboração Artur Mendes)

7 comentários:

  1. O Artur traz-nos a poesia de Pessoa e o sentimento universal de que somos viajantes pelo mar da vida, mesmo que nunca pisemos o convés de um navio. Desejamos abarcar o horizonte mais longínquo, mesmo sabendo que quanto mais dele nos aproximamos mais ele se afasta. Como o poeta nos diz, por mais portos que demandamos, a nossa alma viajante é insaciável. Viajamos por viajar, alimentamos o sonho de um porto inatingível, sem saber que ele está dentro de nós.
    Obrigado, Artur. Obrigado, Zito.

    ResponderEliminar
  2. Gosto particularmente deste poema. Agradeço a partilha ao amigo Artur.

    ResponderEliminar
  3. Poema bonito, ilustrada com uma linda foto, com o fundo lembrando os mares de CV e um pôr do Sol atraz do Monte Cara

    ResponderEliminar
  4. Pessoa tem uma infinita capacidade de ser universal. Não conheço que não enxergue a propria alma em seua textos. Hoje,ao meio dia, depois de 7 dias de festa, o carnaval acabou...mas sábado tem festa da ressaca.
    Braça a todos,

    ResponderEliminar
  5. Ao sol poente estendo a minha mão, tencionando livrá-lo do pungente crepúsculo.
    Na manhã seguinte, abraço-o como se de pródigo rebento se tratasse, erguendo-o para o bem-estar absoluto.
    Eu sou uma pessoa. PESSOA É-OS!
    Breu e claridade;
    Vida e Morte;
    Amor e Fel entranhado;
    Mar e Praia,
    Praia onde me sento para agradecer a percepção do que me rodeia e rodeou.

    Por conseguinte, SINTO, LOGO ZITO (forma do novo verbo Zitar, homologado como significando Vibrar, Criar, Compensar, Enaltecer; enfim, Viver com cretcheu!)

    António Rebelo
    (O Diógenes Angolano, que se procura a si mesmo)

    ResponderEliminar
  6. Sr Artur,
    Obrigada pelo lindo poema.
    Um beijinho

    ResponderEliminar