sexta-feira, 27 de junho de 2014

[7082] - LINGUA PORTUGUESA - 800 ANOS...

"Em nome de Deus eu, D. Afonso, pela Graça de Deus Rei de Portugal, sendo são e salvo e temendo o dia da minha morte (…) mando que meu filho, o infante Sancho, que tive da rainha Urraca herde todo o reino e em paz. Se este morrer sem herdeiros, o filho mais velho que eu tiver da rainha Urraca que herde todo o reino e em paz. E se não tivermos filho varão, que o herde a nossa filha mais velha. E se na altura da minha morte, o meu filho ou filha que venha a reinar não for de maior idade, que o poder seja entregue à rainha mãe, até que possua a idade (…)"

Primeiro documento oficial conhecido escrito em língua portuguesa - Testamento de D. Afonso II - datado de
27 de Junho de 1214...
 
Hoje, 800 anos passados, 244 milhões de pessoas, em todo o Mundo, utilizam este idioma para comunicarem...

5 comentários:

  1. Hoje, o Pd'B estará na Biblioteca Nacional de Lisboa, no lançamento da medalha alusiva ao facto que o Ac'A divulgou...

    Braça medalhística,
    Djack

    ResponderEliminar
  2. Và depressa e faça saber do conteudo deste testamento por todas as partidas do Reino, antes que apareça o alupekista-mor !!!

    ResponderEliminar
  3. Estou de molho em ácido úrico, se não, também ía...

    ResponderEliminar
  4. Tudo neste mundo, menos abolir o "c" e o "q" para os substituir pelo "k". NUNKKKKKKAAAAAAAAAAAAAA!!!

    Braça deskapada,
    Djack (só aqui, por razões anglo-saxónicas óbvias)

    ResponderEliminar

  5. Apesar do seu estilo gráfico fusiforme, tentei ler esta escrita para ver se ela se enquadrava na fase proto-histórica da língua portuguesa ou na fase histórica, sendo que nesta última temos o português arcaico ( séc. XII a séc. XVI), que vai evoluindo gradativamente até ao séc. XVI, a partir do qual começa o português moderno.
    Mas logo à partida pensei que este texto estaria escrito em latim bárbaro mas vi que não porque decifrei palavras em português (arcaico) como filha, em paz, Portugal, reino, etc. De facto, no tempo de D. Afonso Henriques o português era já falado (ainda com muitos vestígios do galego), sendo a prática escrita menos frequente, caso em que se recorria ao latim bárbaro.
    Interessante ideia teve o Zito de nos trazer este texto.

    ResponderEliminar