sexta-feira, 4 de julho de 2014

[7122] - OS ESTADOS UNIDOS EM FESTA...


DAQUI SAUDAMOS A GRANDE NAÇÃO AMERICANA, DO DIA DO 228º ANIVERSÁRIO DA SUA INDEPENDÊNCIA E O SEU POVO, DE VÁRIOS MILHÕES DE IMIGRANTES, ENTRE OS QUAIS MUITOS PORTUGUESES E CABO-VERDIANOS QUE ALI ENCONTRARAM UMA VIDA MELHOR PARA SI E PARA OS SEUS DESCENDENTES...

4 comentários:

  1. Tenho uma grande admiração pela nação americana, pelo que antes de mais tenho de felicitar o editor deste blogue, amigo Zito, pela iniciativa deste destaque. Digo-o com a consciência plena de que aquele país tem defeitos e facetas passíveis de crítica, mas que estes pouco significado têm face ao somatório dos aspectos positivos.
    Visitei a América pela primeira vez em 2008 e fiquei encantado com o que vi. Senti que gostaria de lá viver.
    O sistema económico do país é capitalista mas tem um apoio social que em alguns aspectos suplanta o de países que se reclamam de social democracia.
    A seguir ao 25 de Abril alguns familiares meus emigraram para a América, refizeram as suas vidas, mercê de trabalho sério e honesto, e hoje posso dizer, com enorme satisfação, que têm uma vida muito melhor que a minha. A minha própria mãe viveu lá nos últimos anos, e só aos 88 anos regressou a Cabo Verde, naturalmente com o intuito de morrer na sua terra, que não é a terra natal, mas onde ela se criou e passou a viver a partir dos 5 anos de idade.
    Um dos episódios que mais me emocionam na vida colectiva americana foi a participação voluntária dos seus filhos para combater o fascismo durante a II Guerra Mundial. O filme intitulado “O Resgate do Soldado Ryan”, de Steven Spielberg, é um dos meus filmes de culto, porque é excelente do ponto de vista técnico (o melhor que já vi no género) mas sobretudo porque ilustra bem o espírito americano: jovens que se alistaram voluntariamente, arriscando as suas vidas, para lutar pela liberdade e pela democracia. Morreram 290.000 americanos no conflito e na Batalha da Normandia tombaram 9.387 soldados americanos, sepultados no Cemitério Americano de 172 acres situado próximo de Colleville-sur-mer, França. Esta é uma dívida impagável que o Mundo Ocidental tem para com a América.
    Por isso, Viva a América!

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  3. OBRIGADO, AMIGO...ARROZCATUM CONFESSA-SE HONRADO COM A CONSTANCIA DA SUA PRESENÇA E COM A MAIS VALIA DA ERUDIÇÃO QUE TRANSPIRA DOS SEUS COMENTÁRIOS...ANTECIPO COM A MAIOR ANSIEDADE O DIA EM QUE PODEREI DAR-LHE UM FORTE ABRAÇO DE FRATERNA ADMIRAÇÃO! BEM HAJA, ADRIANO!

    ResponderEliminar
  4. Obrigado eu, Zito, pela oportunidade que nos dá de aqui aparecer e dialogar. Um dia destes vamo-nos encontrar e beber um grogue de S. Antão.

    ResponderEliminar