sábado, 7 de fevereiro de 2015

[7760] - PONTOS DE VISTA...

JUSTINO PINTO DE ANDRADE

"Nós, angolanos, não fomos libertados, fomos aprisionados."

12 comentários:

  1. E nós os cabo-verdianos?
    Estamos aprisionados no meio do oceano?

    ResponderEliminar
  2. Naturalmente apriosionados e sob a guarda de carcereiros parciais.
    Afroucham a gaiola aos que quiserem.Triste vida de ilhéu como nôs.
    Emilio Ramos

    ResponderEliminar
  3. Como em tudo na vida, tudo podia ter sido melhor. Mas as dinâmicas da História são sempre tortuosas e a maior parte das vezes não percorrem os caminhos que podiam ter trilhado com maior benefício.

    Braça com História de Portugal de 1415 a 1975 e etc. ..., em Macau e Timor
    Djack

    ResponderEliminar
  4. De ascendência cabo-verdiana pelo lado materno, passou pela pirsão do Tarrafal em Santiago, E' um observador atento dos problemas das descolonizaçao e em especial de Angola, sua terra natal..

    ResponderEliminar
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  6. Luiz bem me parecia que este senhor tinha um quê de Cabo Verde

    ResponderEliminar
  7. De ascendência cabo-verdiana pelo lado materno, O Justino de Andrade, fez a experiência da prisão do Tarrafal de Cabo Verde, consumindo mornas para aliviar o seu sofrimento. Depois da Independência de Angola tornou a ser preso e hoje dirige os destino dum novo partido politico. Investigador universitario tem sido um critico das politicas do Governo de Angola no que concerne as politicas sqociais e economicas e em especial do emburguesamento das novas elites..

    ResponderEliminar
  8. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  9. Então este rapaz representa a esquerda da sociedade angolana que começou na esquerda e agora onde está: le frick c'est chique. Lembras-te desta música!!
    Marx deve ser hoje o papão espantalho do MPLA. ah ah ah.
    Mas sejamos sérios que país é que não pode ter hoje em dia a sua burguesia que dá trabalho e salário ao povo?

    ResponderEliminar
  10. Ele sabe o que diz porque o sente na carne e na alma, sobretudo nesta. Estas revoluções africanas tiveram o desfecho que era previsível, não é verdade? Se elas falharam em toda a linha em sociedades mais evoluídas, como poderiam resultar em países subdesenvolvidos? O que choca é a forma abrupta e despudorada como os princípios foram atirados para o caixote de lixo, mal os revolucionários ocuparam a cadeira do poder. Ainda assim, quero acreditar que nas ex-colónias portuguesas ficou aquela pitada de moderação e temperança que é típica da idiossincrasia cultural portuguesa. A Guiné será um caso à parte por tudo o que sabemos.

    ResponderEliminar