domingo, 19 de abril de 2015

[8036] - AFROFOBIA VERSUS PAN-AFRICANISMO...


José Eduardo Agualusa
Enquanto escrevo esta crónica, prosseguem na África do Sul os ataques contra imigrantes africanos. Estes ataques não constituem, infelizmente, algo novo na história do país. Todos recordamos ainda os terríveis eventos de 2008, quando multidões em fúria expulsaram de suas casas, nos subúrbios pobres de Joanesburgo e de outras cidades sul-africanas, mais de 25 mil imigrantes, na sua maioria congoleses. 42 foram assassinados.
O que se está a passar envergonha a África do Sul. Envergonha África. Envergonha a humanidade inteira.
Por incrível que pareça o actual surto de xenofobia vem sendo encorajado por importantes dirigentes políticos. O rei zulo, Goodwill Zwelithini aconselhou os imigrantes a fazerem as malas. Edward Zuma, filho do presidente sul-africano, Jacob Zuma, acusou os estrangeiros de se estarem a preparar para tomar o controlo do país. Uma acusação absurda, que levantou um coro de protestos. Zuma, porém, insistiu na sua posição.
Muitos analistas atribuem os actuais levantamentos xenófobos à elevada taxa de desemprego, que aflige quase um quarto da população activa, bem como ao facto do comércio informal e do pequeno comércio empregarem cada vez mais estrangeiros, criando a percepção de que estes estariam a “roubar” emprego aos cidadãos nacionais. A verdade é que a maioria dos estrangeiros trabalham para sul-africanos, ganhando salários que nenhum cidadão nacional aceita receber. O trabalho dos imigrantes enriquece muitos sul-africanos, fortalece empresas, e, deste modo, multiplica empregos. A imigração tende, portanto, a criar mais empregos, não a acabar com eles.
É um paradoxo cruel que um país que permaneceu durante décadas sequestrado do resto de África pelo estúpido regime do apartheid, expulse violentamente essa mesma África depois de retornar a ela. A situação torna-se ainda mais estranha, e mais inaceitável, se pensarmos que a África do Sul tem vindo a ser  governada, desde 1994, por um movimento, o ANC, que teve centenas dos seus dirigentes exilados em países africanos.
O aumento da xenofobia tem na África do Sul, como em toda a parte, uma relação directa com o apelo nacionalista. O destino do nacionalismo é a xenofobia. O nacionalismo começa por ser um erguer de muros, uma exaltação do próprio por oposição ao outro, uma euforia de auto-contemplação e auto-comprazimento, e vai depois crescendo e degradando-se até se transformar em xenofobia. No princípio somos nós por oposição aos outros. No fim somos nós contra os outros.
A cura para a xenofobia passa por resgatar os velhos ideais do pan-africanismo, defendidos por homens com a estatura de um Amílcar Cabral ou de um Mário Pinto de Andrade, que sendo angolano foi Ministro da Cultura da Guiné-Bissau. Temos de pensar (e de nos pensar) primeiro como africanos e só depois como angolanos. Não faz sentido que protestemos contra a eventual perseguição a cidadãos angolanos, na África do Sul, e depois nos regozijemos com a expulsão de pobres imigrantes congoleses ou malianos de Angola. Eu sonho com uma África sem fronteiras.


2 comentários:

  1. A tão propalada fraternidade africana não passa de palavreado de tabanca e só os parvos acreditam nela. Os teóricos bombardeiam-nos com suas retóricas pensando que o cidadão do mato vai compreender e aceitar a sua conversa mas isso nunca é possível quando se considera em seu chão e de raça mais importante que a de todos os vizinhos. Ê preciso ser ingénuo ou ter muita boa vontade para apregoar as bonitas palavras que partem pela savana onde o que impera é a lei do "soit disant" mais forte que não mexe enquanto não se ver atingido de qualquer forma. E là se foram os grandes mentores da grande Africa Unida precisamente porque poucos acreditavam em contos.
    Gosto da boa literatura como gosto da Paz mas temos de ser realistas e tentar navegar nas águas cada vez mais atormentadas onde sobressaiem os chefes hereditàrios.

    Ema Rodrigues

    ResponderEliminar
  2. A verdade é que xenofobia e o racismo são fenómenos também africanos. E a escravatura não teria tido a dimensão que alcançou se não tivesse havido intermediários africanos. Mas não é por isso que deixamos de deplorar e condenar veementemente o que está a acontecer na África do Sul.

    ResponderEliminar