segunda-feira, 22 de junho de 2015

[8243] - O P I N I Ã O ...

Nuno A. Ferreira
Nesta história da regionalização e do centralismo, contam pouco (até por razões óbvias) as minhas convicções pessoais, mas creio que há um afunilamento de discurso que está a passar despercebido aos protagonistas do pensamento regionalista e que, no final, serve os interesses que estes querem combater. É como se a mais cosmopolita das ilhas, a cidade construída, aberta ao mundo como nenhuma outra, o berço da intelectualidade cabo-verdiana, se achasse agora incapaz de alcançar a polis, contentando-se com a parte por não conseguir influenciar o todo.

1 comentário:

  1. De facto, ela está mesmo incapaz de "alcançar a polis" porque foi esvaziada da sua alma, leia-se, a sua intelectualidade dinâmica e activa. Tudo se transferiu para a Praia, e nisso reside o problema.

    ResponderEliminar