terça-feira, 8 de setembro de 2015

[8448] - A GRANDE INVASÃO...



Para além do drama, duas questões pertinentes se impõem quanto a este fluxo anormal de migrantes à Europa:

- como explicar esta súbita e enorme onda de migrantes?
- como explicar que pessoas em pobreza extrema consigam pagar 10 000 euros aos traficantes?

Um súbito fluxo massivo.
 O fluxo migratório da entrada na Europa através do Mediterrâneo não é um problema recente, mas acontecia, até há poucos anos, a conta-gotas... O estranho é que subitamente, em poucos meses,  esse fluxo se tenha tornado numa invasão massiva, quando a situação dos países de origem pouco se alterou no último ano.

Um valor impossível de pagar. 
Desde os longuínquo locais de partida atá à travessia do Mediterrâneo, cada migrante tem de desembolsar perto de 10 000 euros.
Calcula-se que o trafico ilícito de migrantes gere um volume anual de 7 mil milhares de dólares por ano aos promotores do tráfego.
O PIB per capita,  por exemplo, da Eritreia (um dos países de origem) é de 500 dólares anuais, por comparação o de Portugal é de 22 000 dólares. Aqui reside o mistério de saber como é que uma pessoa de um país desses pode pagar o equivalente a 20 anos de rendimento anual (ou seja 10 000 dólares) para migrar?

Promover o caos na Europa.
Uma parte da estratégia actual dos Estados Unidos assenta nas teorias do geo-político americano, Thomas Barnett.
"Como condição da globalização sem choques, temos de por em prática quatro fluxos duráveis e sem obstáculos".
Este fluxos excepcional de migrantes em direcção à Europa faz parte de um destes "fluxos duráveis e sem obstáculos". Thomas Barnett também sabe, e reafirma-o, que este fluxo não poderá ser impedido por nenhuma instituição, nem pela UE ou pela ONU.
O objectivo desta "guerra" contra a Europa é semelhante às revoluções chamadas de "Primaveras Árabes". A Europa como poder político, económico e cultural tem de ser destruída através do caos e ficar sem identidade nacional.
Essa destruição dos Estados-Nações fará com que a Europa se deixe facilmente ser absorvida na Nova Ordem Mundial das oligarquias financeiras.
Thomas Barnett refere que "as fronteiras nacionais devem ser dissolvidas, as raças misturadas e,  assim , os valores e as religiões serão abolidos; o caminho para a Nova Ordem Mundial tem de ser facilitado".
O jornal Info Direkt, relata que um funcionário do ministério da Defesa austríaco revelou que "existem elementos que atestam que organizações situadas nos Estados Unidos criaram um modelo de co-financiamento e contribuem substancialmente nos pagamentos exigidos pelos traficantes".
"Nem todos os refugiados de Africa do Norte têm 11 000 euros em "cash"...  Mas, ninguém questiona de onde vem o dinheiro?!...

Colab. Valdemar Pereira


1 comentário:

  1. Sobre este assunto, respondi como se segue a um amigo. Há coisas inconfessáveis que se estão a passar em certos bastidores da vida mundial. Mas penso que temos vindo a ter disso sinais indisfarçáveis. Não foi por acaso que os EUA apoiaram entusiasticamente a "primavera árabe". Será que, por exemplo, a Hellery Clinton, à data secretária de de estado dos EUA, é tão tapada e tão burra que não visse que a "primavera árabe", que ela tanto apregoou e apoiou, era uma fraude ou peça de uma estratégia obscura? Ou será que os EUA estão nas mãos da Oligarquia Financeira, sem que quem governa consiga estrebuchar ou dar um murro na mesa, independentemente da sua cor política?
    A Europa, essa continua pateticamente paralisada na sua inoperância.
    O mundo está a ficar feiinho demais, maduro para uma derrocada planetária que acabará, provavelmente, por devolver o animal do Homo sapiens ao buraco enigmático, ou seja, ao vazio cósmico, de onde veio, sem estar preparado para a missão que lhe coube no planeta. O verniz exterior do evolucionismo material e tecnológico nada de significativo operou na sua mente ainda muito reptilínia.
    Se há algum exagero meu, peço desculpas.

    ResponderEliminar