segunda-feira, 25 de abril de 2016

[9157] - OS CRAVOS DA REVOLUÇÃO...


Mais de quarenta anos transcorridos, ainda hoje me interrogo porque diabo haveria eu e outras centenas de milhares, como eu de, subitamente sermos forçados a emigrar para o nosso próprio país porque, finalmente, se havia inventado a liberdade...
Podem crer que, nem eu, nem a grande maioria das outras centenas de milhares, somos inimigos da liberdade, do constitucionalismo, da democracia... O que nos dói é que esses três pilares da perfeição político-social, para se implantarem, tivessem provocado um tal tsunami de vítimas inocentes,  acabado por  permitir a implantação de regimes onde campeiam o oportunismo, a demagogia, a corrupção...
E isso significa que todos esses milhares de cidadãos, descendentes de gerações que, deste extremo da Europa, ao longo de séculos, seguiram as rotas dos navegadores de quinhentos foram forçados a regressar às origens que já não eram as suas, em nome de valores mais altos que, afinal, falharam em toda a linha, ou quase...
É por isso que, por muito que o tempo passe não conseguimos extirpar este sentimento de amargura das nossas memórias!

6 comentários:

  1. Padecemos da mesma doença que nunca mais se cura, caro irmão. De forma diferente, e sem querer, fomos obrigados a partir querendo ficar. Ainda se o sacrificio dessa algum bem estar a muitos...
    Alguém um dia disse "La bétise est la réussite des ratés". E o pior é que tivemos muitos "ratés" que se consideravam os melhores filhos.
    Um braça cheie de sodade de nôs terra, terra de nôs tude mà qu'até agora tem side sô d'uns.

    ResponderEliminar
  2. O 25 de Abril e a Descolonização vistos por Zito 'mondrong' e Mnin de Soncente
    Como é que Zito Azevedo um 'mondrong' mais mnin de Soncente do que os verdadeiros , é de repente apanhado (pela marcha da história que ninguém viu irromper) em flagrante delito de "colono" "na tchom de Soncent" que pisou desde criancinha e que virou sua terra, de onde nunca contava sair!?
    Zito conta aqui a amargura que carrega pelo resto da sua vida, uma pessoa que foi presa em 1977, passou pelas masmorras da nova Securitate cabo-verdiana, com a falsa acusação de conspirar contra o Paigc (imaginem a acusação de preparar um golpe de estado, só se fosse com forquilhas!!), quando todos sabemos hoje que os comerciantes mindelenses estavam a cometer um único crime de se queixarem das políticas centralistas e colectivistas do governo da 1ª república, que já asfixiavam S. Vicente. Como é que os comerciantes que viviam do seu negócio iam sobreviver naquela terra?
    Resultado, Zito e vários outros que foram apanhados no 1º endurecimento do regime do Paigc, puseram-se a jeito, e ele como tinha a infelicidade de ser mondrong resmunguento foi corrido, de Cabo Verde 'manu militari', 'sem cmida de camin'. Bom Zito teve sorte de ser mondrong e de estar vivo, pois senão sairia estropiado das marmorras, como aconteceu aos infelizes e inocentes cidadãos, uns anjinhos que pensaram que o regime do Paigc não passava de tigre de papel. A estratégia desta onda de prisões era simples: vergar, intimidar a ilha de S. Vicente contestatária por natureza e erradicar qualquer veleidade contra o novo regime!!

    ResponderEliminar
  3. Querido Zito, entendemos muito bem a sua mágoa irreparável. Pode ter acontecido que o que norteou os ideais do 25 de Abril, feito por militares, foi fundamentalmente a cessação da guerra. Logo, a paz sempre desejada e o desenho de um quadro de negociações para as independências das ex-colónias. Terão sido esses os desejos primevos dos chamados Capitães de Abril? À distância de 42 anos queremos acreditar que sim. Vamos admitir que sim. Embora como diz e com razão: "...em nome de valores mais altos que, afinal, falharam em toda a linha ou, quase..."
    Mas infelizmente tudo se precipitou. Deixaram as pessoas entregues à "bicharada" sem qualquer defesa ou protecção. Apareceram e campearam os oportunistas maus, com ajustes de contas pessoais e de classe social e atormentaram pessoas boas, cidadãos íntegros, cabo-verdianos de coração e de direito, como o Zito e família. Enfim, todos conhecemos esta história. Felizmente que ela vai sendo refeita, com novas abordagens e outros pontos de vista...
    E longe de nós! a História contada na primeira pessoa por aqueles que se julgam os "melhores filhos" e "missionados donos da terra" Abrenúncio! Mas eu entendo que isso não ajudará muito a sanar a mágoa imensa que lhe foi causada imerecidamente.
    Abraços

    ResponderEliminar
  4. Tudo isso é "Vida". Quando nascemos estamos sujeitamos a um percurso ao longo da vida que muitas vezes não depende de nós, nem dos nossos familiares. Mas o importante em cada etapa desse percurso é, pararmos e fazer uma reflexão do tempo percorrido e perguntar se valeu a pena termos nascido e vivido.
    E disso não tenho dúvidas que para muito de nós é que "Valeu a Pena"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Poeta já o tinha dito: Vale sempre a pena quando a alma não é pequena"... Não sou eu, nem os outros muitos milhares, que temos de nos sentir arrependidos! A questão é sentirmos que tudo, ou uma grande parte, poderia ter sido diferente se as nossas vidas não tivessem sido condicionadas de forma ultrajante...Teria, sempre, valido a pena!

      Eliminar
  5. Não tenha medo de escrever para quem saiba ler e entender que "em nome de valores mais altos que, afinal, falharam em toda a linha" sem o "ou quase"... Tudo falhou, porque esses "valores", eram comunistas, criminiosos. Como costumo dizer é dos livros, livros cuja lista divulguei nos meus escritos on-line e na minha pagina Facebook! Não ha aqui meias conversas, em Portugal, capitães comunistas, esquerdistas do mundo comunista, deram um golpe militar e entregaram Cabo Verde, aos seus camaradas comunistas do PAIGC.

    42 anos depois ja era tempo de chamarmos os bois pelos nomes, e não estarmos aqui com conversinhas mansas, como a da dra Ondina Ferreira, que escreve e cito: "Terão sido esses os desejos primevos dos chamados Capitães de Abril? À distância de 42 anos queremos acreditar que sim. Vamos admitir que sim"
    Como pode a dra Ondina acreditar numa espécie de "boa fé" nos "valores" dessa gente, quando sabe perfeitammente que havia um programa politico COMUNISTA do PAIGC e de Cabral para a Guiné Cabo Verde?

    Os chamados programas MAIOR e MENOR, do PAIGC, escrito por Cabral, foram decalcados de Lenine, senhora dra Ondina. São conceitos leninistas. Basta desta condescendênci: Cabral era comunista e admirava Lenine!!!

    ResponderEliminar