terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

[10011] - PROMESSAS



Certo dia, já ciente do seu estado de saúde, ou seja, num tempo não muito longínquo, o meu pai deixou no ar, que gostaria muito que eu prosseguisse um dia com este projeto do “ARROZCATUM”.

Embora seja um curioso da cozinha, sinto-me a léguas do Grand Chef, que dirigiu este espaço, com toda a mestria de um verdadeiro gourmet da palavra.

Com o seu imenso sentido democrático, foi expondo pontos de vista, factos, efemérides e pequenas e grandes histórias. A sua indisfarçável costela de comunicador estava plasmada na curiosidade que tinha sobre as diversas formas e tonalidades do maravilhoso mundo que nos rodeia.

Contou com a inestimável ajuda de uma mão cheia de leais e profícuos colaboradores. E assim, feitos espectadores atentos, fomos enriquecendo em conhecimento e cultura, embalados pelo tom, por vezes conciliador e outras vezes reprovador, mas sempre desempoeirado.

Estou a falar do meu pai, por isso devem perdoar a minha imparcialidade, mas todos devem concordar, que as crónicas sobre a sua palpitante passagem por Angola, estavam coloridas por pinceladas verdadeiramente geniais.

A forma como nos fez sorrir, chorar ou admirar o belo, são a marca do seu inconfundível estilo e verdadeiro exemplo de um comunicador antigo no BI, mas contemporâneo no formato.

Houve um condimento transversal a toda a história do “ARROZCATUM”, a sua grande e incondicional paixão pela terra que o acolheu, adoptou, mas que malogradamente e a destempo, dele se descartou…

Não posso prometer a mesma cadência e qualidade de informação, mas deixarei via aberta para todos os habituais colaboradores e também a todos que se queiram juntar a este espaço de reflexão. 

Estaremos, antes de mais, a honrar a memória de Zito Azevedo, não deixando morrer um dos seus legados…

Veremos o que dá!

Braça

Paulo Azevedo

17 comentários:

  1. Um provérbio africano diz que "um velho que parte é uma enclopédia que desaparece". Zito não estava velho, longe de mim essa ideia porque não sou velho, sou idoso. Zito foi atraiçoado pela doença mas deixou obra cuja continuação, estou certo, continuarà. Pessoalmente não espero a mesma coisa porque seria imitar. Espero, sim, que o corredor seguinte possa continuar corajosamente com o facho até à meta.
    Força !!!

    ResponderEliminar
  2. Telejornais, jornais, blogues, calem-se por uma vez, remetam-se ao silêncio! Esta é a grande notícia do dia e nenhuma outra poderá ter mais interesse e actualidade que ela. Morreu o Zito, viva o Paulo!

    Braça para ambos,
    Djack

    ResponderEliminar
  3. Querido Paulo,
    Obrigada por esta maravilhosa decisão.
    Ainda ontem, publiquei no café e bolinho sobre o hábito de passar aqui, uma rotina que continuava a manter por saudade e para falar aos que aqui viessem.
    Estaremos todos aqui em volta da mesa e disponíveis para tocar a cozinha junto contigo.
    Salve o Arroz e Paulo Azevedo.
    O Carnaval na Bahia tem mais um motivo para batucar!
    Braça,

    ResponderEliminar
  4. Uma excelente notícia! Voltou um certo ânimo! Uma continuação natural, caro Paulo, vamos continuar o saboroso "Arrozcatum". Força! Abraços.

    ResponderEliminar
  5. Great Paulo
    o saudoso e amigo Zito não morreu, viajou para outra dimensão e está sempre connosco no pensamento
    Como a alma é imortal lá onde está fica satisfeito com a vontade do filho de dar continuidade.
    Tenho certeza que todos os amigos voltarão a este blogue após ter engolifdo um grande sapo e passado a ressaca!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Prepara as noticias de Cabo Verde, que a luta continua.
      Para os Azevedo luto é verbo de ação!

      Eliminar
  6. Diz-se que filho de peixe é peixinho, e regra geral o adágio bate certo. A qualidade literária do seu pai era primorosa, mas olhe, Paulo, que nos deixou encantados com estas sábias, bonitas e eloquentes palavras, sinal de que o ARROZCATUM tem tudo para continuar. É evidente que estaremos disponíveis para colaborar, dentro das nossas possibilidades. Iremos ajudar na pesca do atum, na safra do arroz, na escolha do bom carvão de Cardiff para levar ao lume, enfim, naquilo que for necessário para que o produto culinário saia a tempo e ao gosto dos comensais. Pode não ser possível pôr a mesa a todas as refeições, ou mesmo todos os dias, o que importará é que saibamos corresponder minimamente à mestria do Grande Chefe.
    Um grande abraço
    Adriano

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isto amigo. Separa o carvão que já vou passar um café.
      Abraços,
      Nouredini

      Eliminar
    2. Gracias pelo cafezinho, Nouredini, Mas desde há um mês passei a tomar só dois por dia porque concluí que muito café impedia-me de adormecer logo. Levava entre 1 e 2 horas a cair nos braços do Morfeu. E, além disso, fazia-me aumentar a tensão arterial. Agora a coisa está melhor.

      Eliminar
    3. Vejo que tensboas relações com Morféu, grande malandro que nunca està comigo muito tempo. Ou serà que o teu feijão tem "tucim" ?

      Eliminar
  7. "Filho de peixe sabe nadar" ...
    Como sempre o A&A pode contar com a minha modestíssima colaboração.

    Só pergunto: Para que endereço devo enviar o(s) texto?

    Braça

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Artur, pode enviar os seus contributos para o meu email: paulodeazevedo@gmail.com
      Abraço!

      Eliminar
  8. Mano, Ninguém melhor do que tu para continuar este legado tão importante para o nosso papá. Era a sua paixão e orgulho mais recentes.
    Aqui há uns anos atrás falando comigo sobre um dos posts dele, que tu tinhas comentado, elogiou a tua escrita. Não há dúvidas que herdaste dele o dom da escrita e da palavra. Aqui estarei para ajudar naquilo que for preciso para que o Arrozcatum nunca morra!
    Sei que ele ficaria muito feliz!
    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Maninha... ficamos igualmente à espera dos teus contributos!!! Beijos

      Eliminar
  9. Amigos é preciso reactivar o amis urgentemente este blogue, é um apelo que faço aos filhos pois o blogue tinha centenas de visitantes ver milhares. Basta 2 ou 3 posts por semana e que haja uma interacção com os bloguistas como fazia o amigo Zito através dos emails privados e as coisas voltam à normal. Onde estiver o Zito está a observar.

    ResponderEliminar
  10. Caros amigos e amigas, agradeço as palavras de incentivo, e bem preciso delas para esta empresa, contarei com todos, sem excepção... e conto também com a vossa "pachorra", para uma cadência necessariamente menos fértil!!!

    Braça

    Paulo Azevedo

    ResponderEliminar