domingo, 12 de março de 2017

[10020] - E TUDO COMEÇOU NA DJABRABA!

ILHA BRAVA, AO FUNDO A MAJESTOSA ILHA DO FOGO (foto wikipedia)

De terras de Vera Cruz, a colaboradora e amiga do AcA Nouredini, enviou este belíssimo texto, que muito agradecemos e partilhamos convosco...


"Quando pensamos que o brava significa "valente ou destemida" vemos o quão apropriado é o nome dado a Ilha de Brava. Sua história e estórias não fogem a esta qualificação. Somadas as questões de bravura, a ilha carrega um significado de história de amor duradora e valente.
Como não existem acasos nesta vida, foi em Brava que Zito encontrou sua Maiúca, sua companheira amada, mãe dos seus filhos, que com ele dividiu alegrias, tristezas e responsabilidades, principalmente nos duros e injustos momentos vividos em Cabo Verde.
Um amor assim duradouro resistiu a percalços econômicos, políticos e de saúde. O princípio sempre foi o de quem estava bem, cuidava do outro até o final. Também há que se contabilizar as muitas alegrias compartilhadas, os sorrisos dos filhos e a chegada de netos. Não os conheço de perto em sua intimidade, mas a julgar pelo bom humor que Zito sempre demonstrou, suponho e até garanto, que se devia a vida harmoniosa ao lado de sua amada.
Em 2013 escrevi que só os felizes de verdade comemoram as bodas intermediárias. Salvo estes, os demais comemoram por pura formalidade e preferem as datas conhecidas e consagradas dos 25 e 50 anos de casados. As datas quebradas são invariavelmente esquecidas ou guardadas como uma poupança para uma festa maior, num disfarce de que não se está feliz de todo. Naquela oportunidade, eles completavam 56 anos de casados e 60 juntos.
Pergunto-me o que é maior senão o dia-a-dia? O que é maior que a vontade de casar, ao ponto de casar-se por procuração? O que é maior do que dizer sim e ao final da cerimônia não beijar o marido? Eles teceram com bravura por mais de 60 anos este amor e ainda encontravam riscos, pontos e bordados com o mesmo encanto do seu enxoval e renovava os votos nos bons e charmosos almoços de domingo a dois.
A vida para eles sempre foi simples como o amor verdadeiro: -  ela a Maiúca de Zito e ele o Zito de Maiúca, não importando por quanto tempo.
O amor é eterno e sempre estarão juntos e firmes como a ilha de Brava que só floresceu e frutificou e marcou gerações com sua história.
Votos de harmonia."

Heide Oliveira – Nouredini


“ Avida só está disponível no momento presente”  -- Budha 

15 comentários:

  1. São da Nouredini estas palavras, mas quisera ser eu a escreve-las. Estas verdades, esta mostra de tanta ternura, tamanho afecto, em suma tanto amor. Amor com maiúscula, aquele amor puro, de brilho eterno que nada podia diminuir e muito menos apagar. Este sim o amor perfeito, tão lindo como a flor que lhe detém o nome.
    Beijinho para Nouredini. Abraços à familia Azevedo.
    E para o Zito a minha recordação que manterei inalterada.
    Dilita

    ResponderEliminar
  2. Bem-haja, Nouredini, por nos trazer de volta o Amigo Zito com este seu belíssimo texto. Um texto que evoca e celebra a memória de um enlace amoroso indestrutível. A atmosfera da linda e poética ilha Brava envolve-o e transporta-o para os confins do tempo.

    ResponderEliminar
  3. Penso que se a Nouredini tivesse escrito um pedido para que sejamos todos a enviar essa mensagem eu daria o meu acordo sem reserva.
    Obrigado, Nouredini, pelo que sente pelo Zito & C°

    ResponderEliminar
  4. Nouredini, o seu texto está um encanto! Soube transcrever aquilo que o nosso Zito deixava perceber nos textos sobre a família nuclear. Acontece que a ilha Brava, para além de ser uma ilha de uma beleza singular entre as irmãs maiores;as oriundas da Brava, para além de bonitas , eram as mais amoraveis (no crioulo: "morabi") pode ser traduzido por gentis e encantadoras eram assim consideradas as mulheres bravenses. Não esquecer que a Brava era a ilha do maior poeta de inquietação amorosa de Cabo Verde que foi Eugénio Tavares, ilha das mornas de amor. Não admira que o Zito se tenha apaixonado por uma bravense e tenha cantado tão bem as mornas de Eugénio Tavares. Abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada amiga,
      Sempre bom saber mais sobre este lugar que aprendi a amar.

      Eliminar
  5. Bonito texto evocativo da memória do inesquecível Zito ,que lá onde está estará feliz, pois reconhece que tinha verdadeiros amigos, a prova é que estamos todos aqui.

    ResponderEliminar
  6. Para que conste:

    ESTE TEXTO FOI SOLICITADO À NEUREDINE À E ACETE DE IMEDIATO COM MUITO CARINHO. ELE SERIA O INTROITO DO POVOAMENTO DA ILHA BRAVA MAGISTRALMENTE CONTADA POR EUGÉNIO TAVARES...
    .....

    O RESTO NAO INTERSSA,É PASSADO... SERÁ A ULTIMA ESCRITA MINHA NESTE OU EM QUALQUER OUTRO BLOGUE... SÓ QUERO QUE FIQUE BEM CLARO QUE A "BRAVA" INICIATIVA FOI MINHA!!!
    TENHO A PLENA CERTEZA QUE ZITO ME PERDOARÁ!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mendes,
      Não está autorizado a sair(rsrs) Ademais a iniciativa foi sua e nada suplantará seu pedido e desejo. Foi atraves de vc que o texto foi enviado.
      Já passo um café e tiramos isto a limpo em volta da mesa do Arroz.

      Eliminar

      Eliminar
    2. Sr Artur, Não acredito no que acabei de ler...
      Por favor não faça isso...
      Pela amizade que tinha com o meu pai...
      Ele ficaria muito triste e o ACA ficará mais pobre sem a sua participação.
      Um beijinho

      Eliminar
  7. A essência do AcA é aproximar as pessoas através da troca sã de ideias, histórias e saberes que o tempo amealhou em cada um. O espaço sempre foi de todos, e continuará a sê-lo, porque foi essa a minha herança.
    Braça pa tud gente,
    Paulo Azevedo

    ResponderEliminar
  8. Cara Nouredini,
    Muito obrigada por este magnífico texto e pela homenagem ao amor dos meus pais.
    Um beijinho

    ResponderEliminar
  9. Cara Nouredine,
    Muito obrigada por este lindo texto e pela bonita homenagem ao amor dos meus pais.
    Um beijinho

    ResponderEliminar