sexta-feira, 10 de março de 2017

[10019] - RECORTES

Algures perdido numa gaveta, a minha irmã Paula encontrou este pedacinho de papel, com um lamento na forma de uma singela e sentida quadra, de autoria de meu pai e datada de 17 de Outubro de 2003...

Partilhamos convosco!



(COLABORAÇÃO PAULA AZEVEDO)

13 comentários:

  1. Fico feliz que zito tenha sido acompanhado pelos filhos com o mesmo carinho. A história se repete com carinho e respeito. Bom filho, bom pai e bons filhos

    ResponderEliminar
  2. Sejam benditos os filhos que honram os seus pais.

    ResponderEliminar
  3. A questão é simples: quando se tem bons pais, daqueles que se preocupam de facto connosco, que falam connosco, que nos acompanham e acarinham enquanto são vivos, depois de mortos não deixam de existir. Os meus já partiram há cerca de duas décadas e afinal ainda por aqui andam, em papéis, em objectos e sobretudo em memória. E ainda lhes peço conselho, quando calha. Só desaparecerão, quando eu desaparecer... Com o Zito e com os pais e filhos dele, sucede o mesmo.

    Braça filial,
    Djack

    ResponderEliminar
  4. Agradeço a partilha desta singela expressão do sentimento filial. Breve mas intenso e indestrutível. Que seria de nós sem o culto da memória dos nossos entes queridos? É como diz o Joaquim, os nossos pais continuam a viver dentro de nós enquanto vivermos.

    ResponderEliminar
  5. No breve lamento sente-se a força atroz da perda.
    Eu tenho na dele uma amostra grave daquilo que serão outras, que o tempo, mais ou menos devagar, se encarregará de me trazer em embrulho negro.
    Eu estive com ele nesse momento. "Corri" de Mafra a Leiria, num ápice para estar presente. Quem me dera, embora por motivo mais feliz, que eu pudesse correr de novo e ele estivesse à minha espera!...

    António Rebelo e Rosário Rebelo

    ResponderEliminar
  6. Queridos amigos, fiquei comovida com os vossos comentários. Obrigada e um beijinho.
    Braça

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Paula querida,
      Sempre estaremos em volta da mesa do Arroz.
      Braça

      Eliminar
  7. É muito gratificante, verificar que todos continuam a visitar este espaço e a partilhar pensamentos, opiniões e posições... faz valer a pena!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Promessa sua, compromisso nosso. Cá estaremos sempre.
      Braça

      Eliminar
  8. Quatro versos simples, e contudo tão ricos de sentimento filial!
    Bem-aventurados os pais que de tanto usufruem, porque são o alfôbre perfeito da sua geração.
    Abraço para Paulo, e um beijinho a D.Maiuca.
    Dilita

    ResponderEliminar
  9. A morte física é somente uma das dimensões da nossa humanidade de que a memória faz parte integrante.

    ResponderEliminar
  10. É verdade José, a morte física é isso mesmo. As memórias que ficam connosco prolongam e fazem a ponte, saudosa embora, daqueles que nos são queridos e que partiram e dos que ainda cá ficaram. Assim se trata a ausência/presença do nosso Zito. Abraços

    ResponderEliminar
  11. Eu que o diga, Amigos, que em 2015 acompanhei a minha mãe à sua última morada, em S. Vicente, para onde tive de viajar apressadamente. Ainda sinto a vibrar dentro de mim, silenciosamente, os meus passos na calçada entre Madeiralzim e o cemitério da Ribeira do Julião.

    ResponderEliminar