quinta-feira, 9 de outubro de 2014

[7509] - (DES)ACORDO ORTOGRÁFICO...

 
O juiz Rui Teixeira, que conduziu a instrução do processo “Casa Pia” e que agora está colocado no Tribunal de Torres Vedras, não quer os pareceres técnicos sociais com o novo Acordo Ortográfico. O magistrado enviou uma nota à Direcção Geral de Reinserção Social (DGRS) em Abril, onde se podia ler que esta “fica advertida que deverá apresentar as peças em Língua Portuguesa e sem erros ortográficos decorrentes da aplicação da Resolução do Conselho de Ministros 8/2011 (…) a qual apenas vincula o Governo e não os tribunais”.
A DGRS pediu um esclarecimento ao juiz, tendo este respondido que “a Língua Portuguesa não é resultante de um tal «acordo ortográfico» que o Governo quis impor aos seus serviços”, diz o juiz, acrescentando que “nos tribunais, pelo menos neste, os factos não são fatos, as actas não são uma forma do verbo atar, os cágados continuam a ser animais e não algo malcheiroso e a Língua portuguesa permanece inalterada até ordem em contrário”.

Colabor. de Valdemar Pereira

3 comentários:

  1. cá estou no terceiro acordo depois de efetivado!

    ResponderEliminar
  2. ..depois de alfabetizada! Ando trabalhando tanto nos acordos internacionais que escrevi efetivado no lugar de alfabetizada, que vem de efetivação do contrato. Pirei...kkkkk

    ResponderEliminar